WhatsApp começa a usar criptografia por padrão


WhatsApp - logo tsO WhatsApp começou a usar hoje, 05, a criptografia por padrão para toda e qualquer mensagem, vídeo, foto ou áudio trocado pelos usuários através do aplicativo. O sistema de segurança dificulta a intercepção e compreensão das mensagens. A empresa recomenda que o usuário atualize o app para a versão mais recente, única a ter a encriptação de mensagens de ponta a ponta.

O sistema previne o roubo de informação, mesmo nas trocas de mensagens em grupos. “Quando você envia uma mensagem, a única pessoa que pode ler é a pessoa ou grupo de chat para quem você enviar essa mensagem. Ninguém pode ver o que há dentro dela, nem cibercriminosos, hackers, regimes opressivos, nem mesmo nós”, diz a empresa.

A decisão de usar a criptografia ponta-a-ponta foi tomada para aumentar a segurança dos dados pessoais dos usuários, afirma a empresa. “Todos os dias vemos histórias sobre registros sensíveis indevidamente acessados ou roubados. E se nada for feito, mais informação e comunicação digital das pessoas estarão vulneráveis a ataques nos anos por vir”, diz.

PUBLICIDADE

O aplicativo aproveitou o lançamento mundial do sistema para enfatizar as críticas que já fazia a iniciativas governamentais que buscam na Justiça, especialmente nos Estados Unidos, brechas nos programas para acessar os dados dos usuários.

“Embora reconheçamos o importante trabalho da Justiça em manter as pessoas seguras, os esforços para enfraquecer a criptografia arriscam a exposição de informações dos usuários ao abuso de criminosos virtuais, hackers e regimes opressivos”, reforça o WhatsApp, com argumento semelhante ao de Apple e Google.

O serviço tem 1 bilhão de usuários no mundo. No Brasil, recentemente, foi alvo de imbróglio envolvendo o Facebook, sua controladora. Um juiz do Sergipe pediu o acesso a mensagens de usuários. Sem obter resposta do WhatsApp, acionou o Facebook. Diante da também negativa, decidiu pela prisão do vice-presidente da rede social na América Latina, solto depois em menos de 24h. O processo segue tramitando. O WhatsApp já se pronunciou afirmando que não tem as informações solicitadas.

Anterior Correios querem economizar R$ 5 milhões com informação eletrônica
Próximos 70% das pessoas acreditam no fim do dinheiro vivo até 2030