WDC registra lucro de R$ 25,2 milhões no 2º trimestre e prevê mais crescimento


A WDC Networks fechou o segundo trimestre de 2021 com lucro líquido ajustado de R$25,2 milhões, crescimento de 89,2% em relação ao mesmo período do ano passado. No acumulado do ano, o resultado chega a R$36,5 milhões e R$91,4 milhões nos últimos 12 meses.  

Segundo a companhia, essa melhora de resultados foi puxada principalmente por crescimento das vendas em ambos os segmentos de mercado onde a empresa atua, Telecom e Corporativo (que inclui a unidade de energia solar fotovoltaica), onde a WDC tem se mostrado particularmente bem-sucedida ao colocar em prática as estratégias desenhadas em seu plano anual.  

PUBLICIDADE

As vendas da WDC também apresentaram elevações significativas: R$390,8 milhões no segundo trimestre com crescimento de 68,4% ante o resultado do 2T20 e 21,2% na comparação com o 1T21. No acumulado do ano a companhia atingiu o recorde com R$713,2 milhões, crescimento de 71,1% em relação ao mesmo período do ano anterior.  

A margem EBITDA, no entanto, recuou 18,8%, passando de 30,5% para 24,7%. A WDC realizou IPO no dia 26 de julho na B3, arrecadando e R$450 milhões e emissão de 19.400.000 novas ações. 

Avanços

A WDC Networks prevê mais crescimento com o aluguel de tecnologia como serviço (TaaS), alta de backbone, recuperação do mercado corporativo, com o aumento da vacinação contra a Covid-19 e a possibilidade de fornecer produtos para grandes usinas de energia solar, após fechar parceria com a Huawei Solar.

Porém, há uma preocupação, a dificuldade de obter insumos diante da escassez mundial. “Além da falta de chips, por exemplo, o preço do container marítimo subiu muito e essa situação deve se prolongar ao longo do ano”, afirmou o CEO da companhia, Vanderlei Rigatiere, em conferência com analistas nessa terça-feira, 17. 

Rigatiere afirmou que os bons resultados vêm sendo sustentados na maior parte (58%) pela área de telecomunicações, com o aluguel de produtos tecnológicos, como data centers e redes. Segundo ele, a entrada das redes neutras e o movimento de consolidação no mercado de ISP têm repercutido positivamente na empresa. “Com a profissionalização dos pequenos provedores a venda de TaaS aumentou significativamente”, adianta. 

Anterior Franquias da Brisanet fecharão ano com 300 mil assinantes, prevê CEO
Próximos Microsoft será primeiro cliente de nuvem na nova geração de serviços MEO da SES