Via Direta pede bloqueio de contas da Viasat


A operadora de satélite manauara Via Direta pediu na semana passada o bloqueio das contas da empresa Viasat no Brasil. A Via Direta contesta o contrato firmado entre a estatal Telebras e a companhia, que dá à norte-americana o direito de exploração de toda a capacidade civil do satélite brasileiro SGDC-1.

PUBLICIDADE

“O pedido se justifica porque a VIASAT recebeu 60 milhões de reais adiantados da TELEBRÁS para implementar o programa GESAC do Governo Federal, o qual encontra-se suspenso por ordem do TCU”, diz a Via Direta. O protocolo foi feito na 1ª Vara Federal do Amazonas.

A Telebras, por sua vez, não crê que os pedidos frutifique. Afirma que devido a suspensão do processo pelo TRF, não há como acrescentar novos pleitos à ação. Além disso, diz que não foi notificada sobre as novas investidas da Via Direta.

A Via Direta afirma que os pedidos são urgentes, podendo, assim, serem acrescidos ao processo – que está suspenso por ordem do TRF. “É urgente porque há o risco de o Brasil perder esses R$ 60 milhões”, afirma Ronaldo Tiradentes, diretor da Via Direta. Todo o material foi protocolado na última semana, no dia 17.

A operadora amazonense também solicitou que os diretores Jarbas Valente, Maximiliano Martinhão, Paulo Ferreira e Rômulo Barbosa, todos da Telebras, sejam investigados por improbidade administrativa. Pede, ainda, que eles tenham os bens bloqueados.

Tiradentes, da Via Direta, acusa também a Viasat de ser uma empresa de fachada por ter se registrada no Brasil com capital social de apenas R$ 5 mil. A Viasat refuta a afirmação.

“A Viasat Brasil tem o total apoio da Viasat, Inc., uma empresa de capital aberto na Nasdaq com uma capitalização de mercado de quase US$ 4 bilhões de dólares. A Viasat, Inc. concordou em garantir totalmente o desempenho de sua subsidiária brasileira em seu contrato de parceria com a Telebras”, diz a companhia, em nota.

Também semana passada, o Ministério Público Federal pediu o traslado do processo para a ação civil pública movida pelo Sindisat contra o acordo. Caso o TRF acate o pedido de traslado, o MPF poderá se manifestar publicamente sobre a questão envolvendo a Via Direta. Até aqui, esta ação corre em sigilo, diferente da movida pelo Sindisat.

Anterior Japão pede ao Facebook mais proteção aos dados pessoais
Próximos Embratel anuncia solução de segurança Cloud Web Gateway