Vivo poderá lançar planos de Internet fixa em 2 anos


Os atuais planos da Vivo não prevêem franquias para o uso limitado de Internet na banda larga fixa. Mas, em dois anos, poderá tê-los. A observação foi feita hoje pelo presidente da operadora, Amos Genish, que acredita que dessa forma será possível equilibrar a oferta entre os que utilizam mais intensamente a rede e os que não são heavy users. Para ilustrar, disse que 4% acessam diariamente 25% da capacidade da operadora e 20% usam 5%.

O executivo participou hoje do almoço-debate realizado pela Lide para discutir transformação digital. Um dia após a aprovação na Câmara dos Deputados da admissibilidade do processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff, ele foi insistentemente questionado sobre o tema. Mas evitou mais polêmicas, apenas argumentando que é neutro em política e independente de qualquer resultado o que ele deseja é estabilidade econômica. Ressaltando que o ano 2015 foi um dos mais desafiadores, com impacto sobre resultados, mas mesmo assim a indústria de telecom possui certa resiliência. “Nós crescemos 5%”, afirmou.

Para Genish, também é importante que as turbulências políticas não afetem a deliberação de um novo marco regulatório para o país. Na sua avaliação, seja qual for o desfecho para o processo político em andamento o ideal seria que Anatel apresentasse uma proposta até junho. “Essa nova regulamentação é muito importante para o país e para garantir mais investimentos”, afirmou.

PUBLICIDADE

Em relação à norma que foi publicada hoje pela Anatel para que as operadoras tenham soluções para que o consumidor possa acompanhar o consumo de suas franquias, Genish apenas comentou que esse é um reforço para o que já existe. E voltou a defender os planos limitados de acesso à Internet como um benefício mais justo para todos os consumidores. Sua linha de defesa é o de que a cobrança pela média de uso, e não pela utilização específica, penaliza os que acessam menos a Internet.

Anterior "Não há internet ilimitada sem custos ", afirma presidente da Anatel
Próximos Netflix ultrapassa a marca dos 80 milhões de usuários