Vivo levará fibra para 25 novas cidades de MG em 2021


A Vivo ativará rede de fibra óptica em mais 25 cidades de Minas Gerais neste ano. Os municípios contemplados são: João Monlevade, Itabira, Vespasiano, Teófilo Otoni, Patrocínio, Itajubá, Unaí, Piumhi, São João Del Rei, Lagoa da Prata, Santa Rita do Sapucaí, Lavras, Muriaé, Matozinhos, Curvelo, Ponte Nova, Cataguases, Pedro Leopoldo, Extrema, Ouro Preto, Mariana, Leopoldina, Ituiutaba, Caratinga e Monte Carmelo, com uma previsão de 370 mil novas residências cobertas com fibra.

Os planos de banda larga serão de até 600 Mbps de velocidade. “Fechamos 2020 com 1,2 milhão de residências cobertas pela nossa rede de fibra de ultravelocidade. Já contratamos cerca de 150 colaboradores para trabalharem nessas novas localidades atendidas com fibra”, afirma Renato Gomes, diretor da Vivo em Minas Gerais.

As cidades da lista serão atendidas através da parceria firmada entre a Vivo e a American Tower em 2019. Com isso, até o final do ano, serão 42 cidades no estado com cobertura construída pela ATC para a operadora.

Segundo dados de balanço do primeiro trimestre desse ano, a Vivo cresceu ainda mais em fibra e atingiu novo recorde, com a adição de 368 mil clientes e mais de R$ 1 bilhão em receita na tecnologia FTTH – que leva fibra para dentro da casa do cliente, com 61% de alta na comparação anual.

Atuação em Minas Gerais

Em Minas Gerais a Vivo tem mais dez milhões de clientes, a maioria em telefonia móvel. No celular pós-pago, a empresa tem participação de mercado local de 51,4%. No pré-pago, o índice é de 40,1%. Em cobertura móvel, a operadora atende 847 municípios, onde vivem 99,81% da população. Apenas com 4G, a Vivo chega a 664 municípios, o que representa 94,21% das cidades.

Na banda larga, a tele tinha 308 mil assinantes no estado ao final de março, conforme dados da Anatel. Significa participação de mercado de 18,75%. A empresa fica atrás de Oi, que tem  675 mil clientes, mas enfrenta queda na quantidade de acessos desde 2015; e da Claro, que registra base de 638 mil contratos em Minas Gerais.

Anterior BRAVI lamenta que isenção de Condecine Título tenha surgido como 'jabuti'
Próximos Brisanet e Desktop buscam abertura de capital, depois da Unifique