Vivo leva o Open RAN para sua rede nacional


Nova tecnologia surtirá efeitos em diversos setores da economia mundial

A Telefónica e a ADVA Rede Óptica, Organização Europeia de Telecomunicações, anunciaram no começo da semana que a Vivo implantará um sistema desagregado de roteamento de redes móveis (DCSG, da sigla em inglês) como parte de uma estratégia adotada para a instalação de rede IP em todo o País.

Operando em “caixas brancas” (whitebox), projetadas sob a especificação DCSG, a solução fornece funcionalidade de gateway local de célula desagregada implementada pelo sistema operacional de rede Ensemble Activator (NOS, da sigla em inglês) da ADVA.

PUBLICIDADE

A implantação desta solução, selecionada em concorrência e em conjunto com outros projetos similares, reforça a estratégia da Telefónica de investir em redes abertas e desagregadas (Open RAN), além de representar um claro indicador da maturidade das soluções DCSG e a viabilidade técnica e econômica do formato.

O DCSG permitirá que a principal operadora de rede móvel do Brasil implemente de maneira econômica serviços móveis 5G em escala nacional. “Isso dará à Telefônica Vivo total liberdade para construir redes de conectividade de quinta geração desagregadas e neutras para fornecedores, usando sempre os melhores componentes da classe”, diz a companhia, em nota.

Projetada como parte do projeto Telecom Infra Project (TIP) DCSG, a solução faz uso de componentes de rede abertos, todos baseados em padrões e desagregados, que são capazes de combinar e mesclar diferentes padrões, permitindo tanto a implantação completa da solução quanto o uso máximo de sua eficiência operacional e uma cadeia de suprimentos mais forte e diversificada.

Além disso, como parte intrínseca de sua especificação, o DCSG incorpora tecnologias de Rede Definida por Software (SDN, da sigla em inglês) para automatizar o gerenciamento de rede, totalmente alinhado à especificação de subgrupo MUST no TIP para permitir uma integração suave com mapas de operador BSS/OSS e um aumento de automação de rede.

“A nova solução DCSG oferecerá agilidade no desenvolvimento de recursos baseados em software, juntamente com o desempenho e a economia de bare-metal switches”, afirma Atila Araujo Branco, Diretor de Tecnologia e Planejamento da Telefônica Vivo. “Essa movimentação possibilita a criação de um ecossistema móvel aberto, ágil e eficiente, adequado para serviços de última geração e pronto para crescer no futuro. O modelo desagregado e independente do fornecedor nos tornará capazes de escolher entre softwares e hardwares sem restrições, enquanto procuramos atender às demandas de capacidade, latência e confiabilidade do 5G.”

“Temos trabalhado em total colaboração com nossos parceiros dentro do Telecom Infra Project (TIP) para desenvolver a solução DSSG, em um relacionamento pautado em colaboração completa e compreensão mútua. Essa colaboração torna-se uma realidade hoje com a atribuição da solução DCSG como parte da nossa arquitetura de rede FUSION IP”, diz Cayetano Carbajo – Diretor de Plataformas de Núcleo, Transporte e Rede da Telefónica. “Agora
estamos trabalhando lado a lado com a ADVA para levar os benefícios da abertura e desagregação de rede aos nossos clientes no Brasil. Esta nova rede traz maior flexibilidade e escalabilidade, ao mesmo tempo em que nos permite escolher livremente os componentes e acelerar, cada vez mais, o ritmo da inovação.”

“A primeira implementação comercial de nosso ‘Ensemble Activator’ para conectividade 5G em território nacional é um momento muito marcante para a história de redes de acesso de rádio interoperáveis, desagregadas e virtualizadas. Ao utilizar nosso Ensemble Activator, a Telefônica Vivo está ditando o caminho rumo a uma indústria alimentada por inovação aberta e pela colaboração de vários fornecedores ”, comenta Christoph Glingener, CTO da ADVA. “Nosso NOS de nível de operadora aberto é ideal para operar redes grandes e geograficamente dispersas. Ele fornece a eficiência de custo de bare-metal switches ao mesmo tempo em que traz flexibilidade à infraestrutura de transporte. Além disso, a interface de controle aberta e o streaming de telemetria são passos importante para operações automatizadas e, eventualmente, para conexões autônomas.” (Com assessoria de imprensa)

Anterior Retaliação chinesa impacta resultados da Ericsson no 2º tri de 2021
Próximos Pequenos OTTs sugerem que ISPs possam bloquear conteúdo pirata