Vivo implanta núcleo 5G SA na nuvem da AWS


Adam Selipsky, CEO da AWS, durante o MWC 22

A Telefônica Vivo escolheu a AWS para ser um dos fornecedores de nuvem que vai receber núcleo de rede 5G SA. O anúncio ocorreu hoje, 1º de março, segundo dia do Mobile World Congress 2022. Tradicional evento do setor de conectividade móvel que acontece anualmente em Barcelona, na Espanha.

Adam Selipsky, CEO da AWS, braço de nuvem da gigante norte-americana Amazon, subiu ao palco no primeiro painel da manhã para elencar o rol de parceiros para implantação do 5G mundo afora.

PUBLICIDADE

O grupo Telefónica, lembrou, anunciou semana passada acordo para fornecimento serviços 5G baseado em nuvem para clientes corporativos.

No Brasil, falou, a Vivo contratou a AWS para hospedar o núcleo da rede 5G Standalone. O 5G SA funcionará na frequência de 3,5 GHz, e deverá estar ativo em todas as capitais brasileiras até 1º de julho – embora no governo já se admita algum atraso.

“No Brasil, a Telefônica Vivo vai construir um núcleo de rede 5G nativo em nuvem na AWS para alocar e expandir dinamicamente a capacidade da rede 5G segundo a necessidade de seus clientes. Vai ser uma contribuição importante para a transformação digital da Telefônica”, afirmou no MWC 22 o CEO da AWS.

A operadora iniciou os testes com núcleo de rede 5G na nuvem da AWS em 2021, meses antes de comprar a outorga da frequência de 3,5 GHz no leilão da Anatel, realizado em novembro. O núcleo de rede 5G nativo em nuvem é um dos elementos essenciais para a implantação do 5G Standalone.

Uma vez instalado na nuvem, o núcleo pode ser acrescido de funções de rede específicas conforme a necessidade de uma região ou cliente. Nos testes feitos ano passado de implantação do núcleo 5G na AWS, a Vivo recorreu a software de funções de rede de Nokia, Oracle e Mavenir. Selipsky, no entanto, não informou se a tele continuará a usar funções de rede virtualizadas destes mesmos fornecedores.

PUBLICIDADE
Anterior Marcos Pontes concorrerá a deputado federal por São Paulo
Próximos Liquidação do Ceitec não foi melhor alternativa, diz ministro