Velocidade de conexão nas escolas precisa subir 156%, pelo menos


A velocidade média das escolas públicas brasileiras é de 0,39 Mbps por aluno, mas deveria ser de 1 Mbps por aluno. Ou seja, o acesso precisa ser de 100 Mbps no mínimo para uma escola com 100 estudantes, e de 400 Mbps para uma com 400, por exemplo.

Divulgação
Divulgação

Estudo divulgado hoje, 31, pelo Grupo Interinstitucional de Conectividade na Educação (GICE), formado por mais de 20 de instituições entre órgãos governamentais, operadoras, associação de provedores, empresas de tecnologia e organizações do terceiro setor, diz que é preciso multiplicar por 2,5x a velocidade média praticada atualmente nas escolas públicas para que os alunos possam de fato colher os benefícios do acesso à internet.

O documento foi produzido pelo Núcleo de Informação e Coordenação do Ponto BR (NIC.br), pelo Centro de Inovação para a Educação Brasileira (CIEB), pelo Grupo de Mulheres do Brasil (GMB) e pela Organização sem fins lucrativos MegaEdu.

PUBLICIDADE

E mostra que as escolas conectadas têm banda larga com velocidade média de 0,39 Mbps por aluno, quando o ideal é ter no mínimo 1 Mbps. “Essa referência de 1 Mbps é capaz de viabilizar a maior parte das atividades escolares, como aquelas que envolvem áudio, vídeo, download, jogos e uso geral”, destaca Raquel Costa, do CIEB.

A velocidade atual de 0,39 Mbps foi obtida com dados do Medidor Educação Conectada, desenvolvido pelo NIC.br para o Ministério da Educação para monitorar a qualidade da Internet da rede pública de ensino básico. O software, gratuito, é utilizado por 49,2 mil das 138,8 mil escolas públicas em atividade no país. Aproximadamente 41 mil registraram velocidade na ferramenta nos últimos 6 meses.

“Metade das escolas públicas possuem até 118 estudantes no maior turno, o que significa que contratar um plano de 100 Mbps é suficiente para atender ao parâmetro de 1 Mbps por estudante no maior turno. No extremo oposto, apenas 10% das escolas contam com mais de 400 estudantes no maior turno e, portanto, necessitam contratar um plano de 400 Mbps ou superior, para garantir a recomendação de velocidade proposta”, complementa Cristieni Castilhos, CEO da MegaEdu, citando informações disponibilizadas na nota.

São parceiras também na elaboração da nota técnica “Qual a velocidade de Internet Ideal para minha escola?”: Intelbras, Sincroniza Educação, Rede Nacional de Ensino e Pesquisa (RNP), Consórcio de Inovação na Gestão Pública (CIGA), Instituto Cordial, Instituto Articule, Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e Fundação Lemann. O documento está disponível na íntegra aqui.

PUBLICIDADE
Anterior Tributação do streaming: Ancine defende taxar empresas nacionais com alíquota 'variável'
Próximos Só 49% das escolas públicas usam internet para fins educacionais