Veículos inteligentes ganharão eficiência com o amadurecimento do 5G


Créditos: Freepik
Créditos: Freepik

Um novo cenário em termos de mobilidade urbana já começa a ser construído, com a adoção de novas tecnologias e inovação. O que exige baixa latência, cobertura sem falhas ao longo do caminho, regulação e modificação da legislação. Esse foi o mote do painel “Veículos inteligentes reforçam a demanda por Redes sem Falhas”, durante evento da Tele. Síntese “IoT e as redes privativas”.

Para Claudio Smith, arquiteto de Soluções da HERE Technologies, a tecnologia de quinta geração e Big Data trarão a convergência da indústria. “O 5G suportará milhares de dispositivos, aumentará a velocidade, diminuirá a latência, implicando no consumo de energia. Isso implicará em uma mudança em toda a cadeia de transportes e na movimentação de pessoas”.

A HERE cria modelos digitais para representar a realidade, como maquetes. Nelas, constam informações como localização, locais de placas, cidades em 3D, movimentação de pessoas, limites de velocidade, pontos de helicópteros, sistemas de alerta para chuvas e acidentes, dentre outras. “A BMW e a Harley-Davidson utilizam mapas digitais nos seus aplicativos. No mundo de telecomunicações, também exige essa tecnologia, aplicando, por exemplo, na localização das antenas. Tudo isso é carregado na nuvem”, exemplificou.

Djan Magalhães Castro, gerente de ICT Manufatura Stellantis, disse que o 5G é um habilitador em termos de inovação. “Os carros conectados são apenas a ponta do ice berg, porque vão abrir muitas oportunidades de crescimento para o setor. Um ecossistema será construído para suportar essa revolução. O setor automotivo é um setor muito fértil e ganhará com o amadurecimento do 5G”, revelou.

A questão da regulamentação também foi abordada por Castro. Segundo ele, será preciso adaptar a legislação. “O carro conectado e autônomo é visto um marco, mas não é o único item dessa revolução. “Certamente a regulamentação é o ponto mais complexo desse processo, porque os veículos estarão cada vez mais conectados e precisarão de autorização remota”, destacou.

Conectividade agrícola

Renato Coutinho, especialista de Conectividade da CNH Industrial, revelou o setor agrícola tem grande expectativa com o 5G, porque é um setor diferente das cidades e do ambiente fabril. “Além das características da tecnologia de quinta geração citadas, acrescento a disponibilidade da conectividade em locais remotos como um grande elemento. Esse quarto elemento é muito aguardado pelo setor”, disse.

A falta de conectividade nas áreas remotas é um dos principais obstáculos. “Depois do leilão do 5G, estamos acompanhando isso de perto. As questões de conectividade ainda estão muito pautadas nas áreas urbanas. Com a chegada da quinta geração, o baixo atraso também será alavancado. Isso é bastante levante para a promoção da mudança no setor, que tem diferentes cenários”, informou. Para Coutinho, o desafio brasileiro está nas grandes fazendas.

Segundo Coutinho, no setor agrícola a regulamentação é um ponto a ser observado, porque é importante regular duas áreas: a ambiental e a pessoal.

PUBLICIDADE
Anterior Carros elétricos podem representar 62% da frota de 2035 no País
Próximos Tecnologias de segurança viram foco dos setores de óleo, gás e mineração