V.tal e Fibrasil: neutralidade é questão de sobrevivência


Crédito: TV.Síntese

Em suas intervenções no Inovatic Sul, representantes das empresas Fibrasil e V.tal ressaltaram que são redes neutras, e que isso não muda pelo fato de terem um cliente âncora cada. Questionadas por espectadores a respeito da desconfiança de ISPs por serem spin-offs de Vivo e Oi, respectivamente, seus representantes lembraram que a neutralidade é condição primordial para o sucesso das iniciativas.

“Nenhum negócio de rede neutra se sustenta com um cliente só. Não podemos não ser neutros para não termos riscos. Aqui na V.tal, qualquer provedor pode ser âncora em qualquer região”, resumiu Rafael Marquez, diretor de Marketing da V.tal.

PUBLICIDADE

Aos ainda desconfiados, Marquez sugere que realizem testes. “Tem muito mais oportunidades do que riscos para o ISP entrar nisso. No mínimo, experimentar é uma forma interessante de conhecer o modelo”, acrescentou.

Para ele, a grande vantagem oferecida pela rede neutra é a redução dos investimentos necessários para um provedor chegar a novos mercados. “O modelo baseado em Opex [gastos operacionais recorrentes] é bastante atraente, e por isso a procura é intensa e já temos duas dezenas de contratos assinados. Já ouvi de provedores que o momento atual é de crescer ou morrer. Com a rede neutra, o ISPs pode crescer e se concentrar no atendimento, e não em manter a infraestrutura própria”, falou ainda.

Aceita-se provedor com um cliente

Assim como a V.tal, a Fibrasil também vê a neutralidade de rede como estratégia fundamental para atrair clientes, independente da existência de um cliente âncora.

Alex Bonalda Jucius, CMO da Fibrasil acrescentou que as operadoras de rede neutra derivadas de redes de grandes operadoras só atraíram sócios justamente por conta da perspectiva de atender outros provedores de internet e demais operadoras que precisem de infraestrutura para complementar a rede 5G. O cliente âncora, ressaltou, é uma forma de garantir que o modelo de negócio é interessante e que a qualidade estabelecida é alta.

“Nenhum investidor colocaria dinheiro se já não tivesse cliente âncora na rede neutra. Mas ter um só cliente não funciona, precisamos de mais. O cliente âncora mostra que a rede já tem um bom nível de serviço. Que vai ser dada a mesma qualidade a todos os clientes porque seria mais difícil não entregar a mesma qualidade ou criar contratos com SLA diferentes. A neutralidade é absolutamente garantida e mais simples tecnicamente”, falou o executivo da Fibrasil.

Uma prova disso, afirmou, diz respeito ao modelo contratual praticado. Segundo ele, podem contratar a Fibrasil provedores de qualquer porte, sem distinção. “O modelo de contratação é o mais simples possível, com preço baseado em home connected [pontos de conexão ativos] por mês. Então cada cliente conta. Um provedor com um só cliente na cidade está ótimo, pois a nossa infraestrutura já está lá construída, já é nosso custo mantê-la. Qualquer adição de portas contribui para o investimento já feito”, ressaltou.

PUBLICIDADE
Anterior Para especialistas, ISPs e redes devem agregar produto para incrementar receita
Próximos Fibrasil: foco em mercados fora de São Paulo foi estratégico para investidores