Uso da banda X do satélite para comunicações militares é garantido em contrato


A Telebras e o Ministério da Defesa assinaram, nesta quinta-feira (11), contrato de cessão de direitos de uso futuro de infraestrutura do Satélite Geoestacionário de Defesa e Comunicações Estratégicas (SGDC) para a banda X, que será destinada para as comunicações militares. O satélite, em fase de construção, tem lançamento previsto para 2016.

O SGDC é um projeto estratégico nacional desenvolvido pela Telebras, junto com os Ministérios das Comunicações, da Defesa e da Ciência, Tecnologia e Inovação. O satélite irá operar em duas bandas: a banda X, que terá uso militar pelo Ministério da Defesa; e a banda Ka, que será operada pela Telebras para garantir a segurança das redes de governo e para ampliar o Programa Nacional de Banda Larga (PNBL) às regiões mais isoladas, como a Amazônia e o Nordeste brasileiros.

PUBLICIDADE

A construção do satélite brasileiro é estratégica para garantir a soberania das comunicações do governo e também para assegurar o fornecimento de internet banda larga aos municípios distantes e isolados, onde não chega a rede terrestre de fibra óptica.

O chefe do Estado Maior das Forças Armadas, general José Carlos de Nardi destacou que aquele era um momento histórico, “momento em que as Forças Armadas brasileiras conseguem um satélite para desenvolver as suas comunicações estratégicas. O importante é que vamos comandar as operações na banda X, o que dará mais segurança às comunicações militares”, ressaltou De Nardi, lembrando que atualmente o governo brasileiro não possui um satélite próprio para desenvolver as suas comunicações.

O presidente da Telebras, Francisco Ziober Filho, também ressaltou a importância estratégica do satélite na sua banda Ka, de uso civil, que servirá para levar o Programa Nacional de Banda Larga (PNBL) aos locais mais distantes. “Vamos levar cidadania às comunidades mais isoladas, por meio do satélite. É um orgulho para a Telebras participar desse projeto tão importante para o País”, afirmou.

Atualmente o satélite está em fase de construção na França, pela empresa Thales Alenia Space, que venceu a seleção internacional de fornecedores, promovida pela Visiona Tecnologia Espacial, joint-venture da Telebras e Embraer que atua como empresa integradora do projeto SGDC.

Além da construção do satélite, as empresas vencedoras da seleção internacional se comprometeram, em contrato, a promover a transferência de tecnologia para o Brasil, com vistas a alavancar a indústria espacial brasileira neste setor. A adesão ao Plano de Absorção e Transferência de Tecnologia foi condição obrigatória aos fabricantes interessados em fornecer o satélite para o Sistema SGDC. A execução do Plano de Absorção e Transferência de Tecnologia está sendo conduzida pela AEB (Agência Espacial Brasileira).

A empresa Arianespace será a lançadora do satélite, na base espacial da Guiana Francesa.(Com assessoria de imprensa)

Anterior SAP pode reforçar portfolio para o varejo com solução para ponto-de-venda
Próximos T-Mobile US terá voz sobre WiFi em todos os novos smartphones