Unificação de serviços opõe teles e ISPs


A consulta pública da Anatel para colher subsídios acerca da simplificação da regulamentação de serviços de telecomunicações recebeu 490 contribuições. As sugestões enviadas têm consensos, divergências e uma preocupação recorrente quanto à separação do que é serviço de valor adicionado (SVA) do que é serviço de telecomunicação.

Enquanto entidades representativas das operadoras regionais e ISPs defendem a manutenção do entendimento atual, de que não deve haver fusão do conceito de SVA e telecom, a TIM, única entre as teles de grande porte a abrir parte da sua contribuição, defende o fim do tratamento tributário diferenciado ao SVA e SCM.

PUBLICIDADE

A operadora considera que o tratamento tributário diferenciado conferido aos ofertantes do Serviço de Conexão à Internet, nos termos da Norma n.º 4 / 1995, não se justifica e, portanto, não deve ser mantido pela agência. O argumento é de que há plena atuação do SCM e SMP na provisão do serviço de Internet. A tele diz ainda que não existe necessidade técnica de manter a figura dos provedores de acesso à Internet, uma barreira à simplificação da regulação.

Interconexão

Outros temas tiveram grande repercussão, como as regras para interconexão, mesmo entre as entidades que representam as empresas competitivas. A Associação Brasileira de Prestadoras de Serviços de Telecomunicações Competitivas (TelComp) questiona a necessidade da regulação quando ela não parece ser necessária em face da própria dinâmica do mercado.

E explica: com relação aos circuitos de alta capacidade para municípios de categoria 3, muito embora haja problemas práticos pendentes, o caminho via PGMC foi tomado; sobre o uso das redes para prestação de serviços de valor adicionado, a inclusão do artigo 64-A parece estar suficiente e alinhada às práticas de mercado, não havendo necessidade atual de intervenção regulatória mais extensa.

“Logicamente, o dinamismo dos negócios e a relação entre as empresas, reguladas ou não, deve estar sob o olhar atento da agência, sempre em vista da necessidade ou não de antecipar iniciativa regulatória”, afirma a entidade.

Para a Associação Brasileira de Provedores de Internet e Telecomunicações (Abrint) acredita que o cenário adequado para o estabelecimento das interconexões para este tipo de tráfego é o de um ponto de interconexão por Região do PGO, podendo ainda, em um futuro breve, convergir para um único ponto nacional, garantindo-se a conectividade por meio de “nuvem” via PTT do NIC.br, por exemplo. Isso simplificaria o serviço do ponto de vista técnico, operacional e de remuneração de redes, habilitando, de imediato, novos agentes e, sobretudo, potencializando oferta e atendimento de serviços de voz para os consumidores.

Já a Associação Brasileira de Internet (Abranet) afirma que no setor de telecomunicações, o tema convergência há muito já se tornou lugar comum para justificar inúmeras mudanças em benefício próprio mas, sem efetivamente apresentar uma inovação.

“Seja no que diz respeito às redes de telecomunicações, seja em relação à própria prestação dos serviços de telecomunicações ao público em geral (varejo) e a exploração industrial de meios (atacado), vivemos em uma era em que os conceitos se entrelaçam e são usados em algum benefício próprio ou para ampliar o leque de fakes problemas a serem solucionados pela agência”, comenta a entidade.

Anterior Devido às restrições dos EUA, Huawei vende unidade de celulares Honor
Próximos Governo de Minas e Telefônica levam 3G a 700 distritos com incentivos do ICMS