Unidade de infraestrutura óptica da Oi vai comercializar também a rede de acesso


O diretor de atacado da Oi, André Telles, afirmou nesta segunda-feira, 20, que a operadora vai abrir também sua rede FTTH (fibra óptica) a terceiros. Segundo ele, o objetivo da empresa é atuar fortemente como empresa de infraestrutura neutra, e isso envolve o backbone, o backhaul e a conexão de última milha.

O executivo participou de live realizada pelos sites Mobile Time e Teletime nesta manhã. No evento, detalhou um pouco mais do projeto de separação estrutural da Oi. Este prevê a criação de uma unidade independente que vai reunir todos os ativos de fibra óptica (Infra Co.), e outra unidade (Client Co.) que ficará com a carteira de clientes de banda larga, telefonia fixa e TV paga. A modelagem ainda precisa do aval de credores e homologação da Justiça, uma vez que a Oi passa por recuperação judicial.

PUBLICIDADE

A Infra Co. vai alugar sua rede para a Client Co., mas poderá também fechar contratos com empresas que atualmente são vistas como rivais da Oi no mercado de acesso. O executivo lembrou que a Oi (Infra Co.) tem 6 milhões de homes passed (casas aptas a assinar o serviço de banda larga por fibra óptica). Uma parte disso poderia ser monetizada sem participação da Client Co.

Dados de maio reunidos pela Anatel indicam que, desses 6 milhões de HPs, a Oi obteve 1,48 milhão de usuários até o momento – cerca de 25% de ocupação. Ou seja, há espaço para que outros revendam os pontos que a empresa não conseguir comercializar.

Retorno rápido

Segundo o executivo, a Infra Co. vai procurar todo tipo de acordo para rentabilizar rapidamente os ativos que possui. Se um provedor de banda larga já tiver rede de acesso e quiser firmar parceria para uso do backbone, apenas, será possível. E se não tiver, também conseguirá operar. “Não tenho rede, mas quero atender os clientes com a rede fim a fim da Oi. Dá pra fazer negócio? Dá”, exemplificou.

Ele reafirmou o que Rodrigo Abreu, o CEO da Oi, disse na época do anúncio da proposta de separação estrutural no mês passado. A intenção é fazer da Infra Co. uma rede neutra, capaz de prestar serviço a qualquer prestadora de serviço de telecomunicação.

“Essa empresa vai prestar serviço para todas as outras de forma isonômica e neutra. A rede é compartilhável, e o investimento feito pela Infra Co. precisa ser retornável. Quanto mais parceiros e operadores estiverem nessa rede, antes retornamos o investimento”, ressaltou o diretor de atacado da companhia.

Segundo Telles, a Client Co. também terá liberdade para buscar outras redes além daquela detida pela Infra Co. para vender seus serviços de banda larga fixa. “Não tem exclusividade. A Client Co. vai usar a Infra Co., mas é possível também que utilize a infraestrutura de outros parceiros para prestar serviços para os clientes da Oi”, acrescentou.

Anterior Vivo inclui Netflix na fatura dos planos de banda larga fixa em fibra
Próximos Fundo Audiovisual libera R$ 400 milhões para crédito emergencial