TV 3.0 brasileira vai usar tecnologia de som dos criadores do MP3


TV 3.0 brasileira vai usar tecnologia de som dos criadores do MP3
Crédito: divulgação

Tecnologia desenvolvida pelo instituto alemão Fraunhofer, conhecido por ter criado o MP3, será obrigatória na próxima geração de TV brasileira, a TV 3.0.

No final de dezembro, o Fórum Brasileiro do Sistema de TV Digital terminou a fase 2 de avaliação técnica do Projeto TV 3.0, que vai renovar a tecnologia utilizada para transmissão de canais abertos de TV no país a partir de 2024. E estabeleceu que o MPEG-H será o único sistema de compressão de áudio (codec) obrigatório no futuro sistema de transmissão de TV aberta.

PUBLICIDADE

Em julho de 2020, o Fórum Brasileiro de Televisão Digital (SBTVD) emitiu a Chamada para Propostas (CpP) para um sistema de TV Digital da próxima geração chamado TV 3.0. A CpP convocou as tecnologias mais avançadas e abordou cada nível do sistema de TV da próxima geração. Para o componente de áudio, Fraunhofer IIS, Ateme, o Grupo de Especialistas em Radiodifusão Digital (DiBEG – Japão) e o Comitê de Sistemas Avançados de Televisão (ATSC – EUA), propuseram o áudio MPEG-H, o mais avançado codec de próxima geração de áudio (NGA).

A fase de avaliação técnica foi conduzida por um laboratório de testes independente indicado pelo Fórum SBTVD e financiado pelo Ministério das Comunicações do Brasil. Usando uma cadeia de produção e transmissão de ponta a ponta para a avaliação, o sistema de áudio MPEG-H cumpriu com sucesso todos os requisitos obrigatórios da CpP TV 3.0, demonstrando sua maturidade e capacidades inigualáveis.

Além da avaliação técnica das tecnologias que participaram, aspectos de mercado e propriedade intelectual foram considerados para a seleção. Ao final do processo, o Fórum SBTVD selecionou o áudio MPEG-H como o único sistema NGA obrigatório para serviços “Over the Air” (OTA) e “Over the Top” (OTT). O lançamento da TV 3.0 está previsto para 2024.

“Estamos orgulhosos que a nossa tecnologia tenha alcançado um resultado excepcional na avaliação e, consequentemente, foi selecionada como o único codec obrigatório para a transmissão terrestre da TV 3.0 no Brasil”, diz Adrian Murtaza, Gerente Sênior de Tecnologia e Padrões do Fraunhofer IIS. “A seleção do MPEG-H abre um novo capítulo em nosso trabalho com o Fórum SBTVD e as emissoras no Brasil. Nossa equipe está entusiasmada em trabalhar de perto com a indústria brasileira para trazer o áudio MPEG-H para os serviços regulares de TV e uma experiência aprimorada para o público”.

O Fórum SBTVD encaminhou suas recomendações ao Ministério das Comunicações do Brasil, para a seleção das tecnologias candidatas para todos os componentes da TV 3.0. O Ministério das Comunicações concordou com a publicação dos resultados pelo Fórum SBTVD.

“Os telespectadores esperam experiências de vídeo cada vez melhores e mais envolventes. Embora as imagens de alta qualidade sejam parte disso, o som é igualmente importante. Estamos realmente ansiosos para oferecer um som imersivo e personalizado para os telespectadores brasileiros”, diz Mickaël Raulet, CTO da Ateme.

MPEG-H na Amazônia

Embora seja obrigatório na TV 3.0, já há emissoras que adotaram o codec do Instituto Fraunhofer no Brasil no atual sistema de TV digital terrestre. A tecnologia pode ser inserida em iniciativas de TV 2.5, padronização de transição elaborada pelo Fórum Brasileiro de SBTVD.

O Grupo Rede Amazônica emprega o MPEG-H nas transmissões do canal Amazon Sat. “O Amazon Sat é o primeiro canal de transmissão brasileiro a implementar o MPEG-H Audio em serviços regulares de transmissão 24 horas por dia, 7 dias por semana, trazendo oportunidades inéditas, como áudio imersivo e interatividade, para a TV aberta”, explica Eduardo Lopes, diretor de Engenharia do Grupo Rede Amazônica.

O codec permite a transmissão de ádio 5.1 e estéreo. Uma única produção de MPEG-H pode cobrir todas essas configurações.

O sistema permite que o público interaja com o conteúdo e adapte a experiência de áudio às suas preferências pessoais. Há opções para personalizar o equilíbrio do diálogo e dos sons de fundo, escolher entre diferentes idiomas e posicionar a audiodescrição em diferentes locais da sala. (Com assessoria de imprensa)

PUBLICIDADE
Anterior Anatel autoriza exploração de satélites LEO pela Swarm
Próximos Classificação de postes pela Lei de Antenas gera debate em Santa Catarina