Transações via mobile banking cresceram 333% em 2012


 

A Federação Brasileira de Bancos (Febraban) divulgou uma pesquisa na sexta-feira (19) que demonstra o potencial das tecnologias móveis para inclusão bancária. O levantamento, realizado em parceria com a Booz & Company, registrou um aumento de 333% em transações via mobile banking no ano de 2012, que já representam 2,3% do volume total. Este tipo de acesso juntamente com as transações via internet superaram as transações por canais tradicionais como agências, contact center e ATMs e representaram 41,3% do total.

Para as instituições financeiras, este avanço no uso de canais digitais é altamente positivo, uma vez que permitiram uma redução no custo unitário de transação de 17,4% nos últimos cinco anos. De acordo com a Febraban, “a conveniência destes canais gerou um crescimento de 73,4% no volume de transações”. No entanto, o aumento no volume de transações, superior à redução de custo fez com que o custo total de operação crescesse, informa a Febraban.

PUBLICIDADE

O benefício da redução de custo é acompanhado da elevação do investimento das empresas do setor em tecnologia da informação (TI). No último ano, os gastos em TI somaram R$ 21,1 bilhões, 9,5% superior ao registrado um ano antes. Os gastos com software foram 20% maiores do que em 2011.

Este nível de aporte faz com que a indústria de tecnologia para o setor bancário se aproxime das correspondentes em mercados maduros como França e Alemanha, com 15% de todo o investimento de TI no Brasil. (Da redação).

Big Data e agências
Uma vez que a expansão das agências foi de 2% no último ano e as transações financeiras nas agências por conta corrente declinaram 5% nos últimos anos, fica cada vez mais evidente um novo perfil destes pontos de contato com o cliente: as agências vêm intensificando seu papel de relacionamento com o cliente. Mas para este papel, são necessárias plataformas tecnológicas que propiciem o aperfeiçoamento do atendimento, como tecnologia de análise de dados não estruturados (Big Data) e de Customer Relationship Management (CRM), aponta a Febraban, o que indica que os investimentos nesta área devem aumentar nos próximos anos.

 

PUBLICIDADE
Anterior Senado aprova novo marco de telecom mexicano, mas projeto volta à Câmara
Próximos Operadoras de telecom querem mais prazo para apresentar projetos de rede ao MiniCom