Trabalhadores, Vikstar e Vivo chegam a acordo


Os trabalhadores da Vikstar, empresa de call center que atendia a Telefônica Vivo, aceitaram proposta para desligamento em massa. O acordo foi assinado na segunda-feira, 17 de maio, e prevê duas opções de demissão: normal, com rescisão contratual conforme as regras trabalhistas, e por adesão a Plano de Demissão Incentivada, pelo qual o funcionário recebe um bônus salarial de 20% para cada ano trabalhado, até o limite de um salário e meio.

PUBLICIDADE

O acordo foi registrado no Tribunal Regional do Trabalho da 22ª Região, no Piauí. A Vivo era o único cliente da empresa.

“Os trabalhadores terão suas rescisões garantidas para seguirem a vida profissional, visto que já perderam o emprego. A ação conjunta e de unidade dos sindicatos Sintel-PI, Sintel-PR e Sintratel-SP foi determinante”, diz Marco Aurélio de Oliveira, presidente do Sintratel-SP. A seu ver, em São Paulo, a maior parte das adesões deve se dar à rescisão contratual comum. No caso trabalhadores com estabilidade, como gestantes, a adesão ao PDI autoriza o fim da estabilidade.

Segundo João Augusto Ferreira, sócio do BNZ Advogados, responsável pela área de reestruturação de dívidas em solvência do escritório, o PDI abrange 9,5 mil pessoas, entre empregados atuais e que saíram da Vikstar recentemente. “A expectativa é desmobilizar, no momento, 8 mil pessoas”, explica.

Além do bônus por tempo de casa, o acordo prevê pagamento de incentivo equivalente a 20% do salário base para quem tiver uma ano de empresa e 30% para quem tiver mais tempo. Todos os funcionários recebem o que é garantido por lei, como FGTS, adicional de rescisão de 40%, férias proporcionais e 13º.

Alcance

“A Vivo adiantará o valor à Vikstar, exatamente o valor do pagamento dos trabalhadores. A estimativa é que o custo total seja de aproximadamente a R$ 84 milhões”, afirma. A Telefônica, por sua vez, afirma que não reconhece o valor estimado pelo advogado da Vikstar. Mas confirma participação no acordo.

“A Telefônica confirma ter negociado em 17 de maio o Acordo Coletivo de Trabalho com Vikstar, Sinttel PI, Sinttel PR e Sintratel SP com o Tribunal Regional do Trabalho do Piauí, direcionado exclusivamente aos colaboradores da Vikstar que prestavam serviços de call center e televendas para a Telefônica”, diz a operadora em nota.

Delané Mayolo, fundador do escritório de mesmo nome de Porto Alegre, negociou o acordo juntamente com Ferreira, do BNZ, em nome do call center. “A Vikstar possuía mais de 8 mil empregados distribuídos por São Paulo, Votuporanga, Barretos, Londrina e Teresina. O acordo vai permitir o pagamento de todas as verbas de rescisão”, ressalta.

PUBLICIDADE
Anterior Empresas de satélites levam ao TCU reivindicação por indenização pela implantação do 5G
Próximos MP da VSAT também tira imposto de streaming