TIM prepara desligamento da rede 2G em 50 cidades


Background image created by Creativeart - Freepik.com
Image created by Creativeart – Freepik.com

O acordo firmado entre TIM e Vivo para o compartilhamento de rede 2G em cidades com menos de 30 mil habitantes está sendo executado e trará economias às empresas já neste ano de 2021. Segundo o CTIO da TIM, Leonardo Capdeville, as companhias começaram ainda em 2020 a implementar a partilha dos ativos de rede. Pelo contrato, firmado em 2019, a Vivo será responsável pela rede 2G de ambas em uma parte do Brasil, e a TIM, em outra. O acordo abrange 2.689 cidades.

“Estamos chegando à etapa do switch off. Faremos um piloto em 50 cidades, e preparamos um roll out maior em 2021″, contou Capdeville durante a conferência dos resultados de 2020 da operadora, realizada na manhã desta quarta-feira, 10.

PUBLICIDADE

Ou seja, as companhias já estão próximas de cortar o sinal das redes 2G redundantes que possuem em comum em algumas cidades, restando apenas a da parceira. O desligamento não se dará em todo o Brasil, mas em algumas cidades no começo para que as empresas vejam qual impacto haverá sobre os serviços. A expectativa, falou o executivo, é que não haja problemas e não ocorra mudança na qualidade dos serviços 2G.

O modelo de compartilhamento de infraestrutura e espectro vai resultar em uma single grid, ou seja, uma rede única. Os clientes serão administrados de forma totalmente separada. Nas áreas em que a TIM desliga sua rede 2G, vai ampliar a rede 4G. Onde a Vivo fará o desligamento, vai também destinar recursos para o 4G.

Dessa forma, lembrou Capdeville, há uma redução dos custos e a destinação de recursos importantes para uma rede mais eficiente. Ele descarta, no entanto, que haja o desligamento neste ano da rede 2G em cidades maiores. Mas prevê que abordagem semelhante poderá ser usada nos grandes centros, caso o desligamento nas pequenas for um sucesso.

PUBLICIDADE
Anterior Anatel publica regras para migração das concessões
Próximos Cade aprova compra das torres da Oi pela Highline sem restrições