TIM finaliza testes para lançar o serviço de voz sobre LTE


4g-lte-logoEm parceria com a Huawei, a TIM finaliza os testes do serviço de voz sobre LTE (VoLTE) e vai definir quando deverá lançar a solução comercialmente. A oferta marca para a operadora o estabelecimento de uma nova tarifação, com a ligação sendo cobrada como dados e não telefonia. A rede 4G, na qual a empresa se tornou líder em cobertura, será a grande aliada desse projeto.

Na avaliação de Luis Minoru, CSO da operadora, o lançamento do VoLTE poderá ter reflexos futuros no aumento de pacote de dados por parte do usuário. E também reflete mais um novo ambiente tarifário e de posicionamento da companhia frente a novos movimentos da base de clientes. Um deles diz respeito ao desestímulo para que o consumidor possua dois ou mais chips, uma prática que, no passado, foi até incentivada pela empresa. A aposta da companhia é de conquistar esse mesmo consumidor para ser o fornecedor do seu chip único e dessa forma aumentar o MOU.

No caso do VoLTE, a TIM realiza o trial com seus diretores e deve ampliar os testes. Os aparelhos utilizados são da Huawei e, para completar a ligação, é necessário que a ligação parte da rede 4G e que a pessoa chamada possua um telefone que permita ligações VoLTE.

PUBLICIDADE

Os aparelhos, por sinal, são por enquanto o maior obstáculo a ser contornado para o lançamento do serviço. São poucos que possuem essa ferramenta e ainda são caros. “Não queremos lançar o serviço como premium”, disse Minoru.

O desconto da ligação do pacote de dados terá de ser feito de forma transparente para o usuário, comentou. Mas essa não é uma questão que, no momento, preocupa Minoru. Pela sua análise, o VoLTE deverá ser lançado este ano, mas só ganhará escala a partir de 2017/2018 com o barateamento dos terminais com essa ferramenta. Nesse tempo, uma nova dinâmica poderá estar valendo na relação com o consumidor que permita, inclusive, que essas ligações custem bem pouco ou, em último caso, até sejam gratuitas.

Anterior Processo de open innovation da TIM pode abrigar parcerias com OTTs
Próximos Parlamento reage mal ao fim da concessão de telefonia por decreto