TIM e C6 Bank ativam recurso de transferência instantânea de dinheiro


A TIM Brasil e o C6 Bank começaram a oferecer hoje, 16, transferências instantâneas de dinheiro pelo aplicativo do banco. Para realizar a transferência, o usuário precisa apenas digitar o número do celular da pessoa que irá receber a quantia.

O serviço foi batizado de C6 Kick e antecedo o modelo do PIX, que entra em vigor no país todo em novembro. Para realizar a transferência, o sistema usa SMS. O dinheiro pode ser enviado para contas de qualquer outro banco. O beneficiário resgata o dinheiro após digitar seus dados no SMS. Agora, com a funcionalidade C6 Kick TIM, o cliente C6 faz a transferência instantânea para a conta do cliente C6 / TIM sem custo adicional e sem a necessidade do beneficiário preencher seus dados cadastrais.

PUBLICIDADE

“Acreditamos que os serviços bancários e as novas formas de pagamento, como o PIX, são a próxima fronteira na transformação das relações entre empresas e consumidores. Estamos juntos com o C6 Bank não só com a oferta do Kick como também na viabilização do PIX e em ofertas que podem melhorar o dia a dia de usuários em todo o país”, diz Renato Ciuchini, Head de Estratégia e Transformação da TIM.

Como funciona

Para enviar o dinheiro, basta abrir o app do C6 Bank e escolher a opção “Transferir por telefone (via C6 Kick TIM)”. Depois, escolha o contato em sua agenda ou digite o celular do cliente C6 TIM, defina o valor e envie o link do comprovante via SMS ou por WhatsApp. O beneficiário receberá uma mensagem e pode resgatar automaticamente o valor transferido, sem a necessidade de cadastro ou o envio de dados pessoais.

“A parceria integrada entre C6 Bank e TIM permitiu a sinergia entre produtos e serviços financeiros e de telecom, além de viabilizar melhorias e ofertas de funcionalidades que facilitam o dia a dia do consumidor”, afirma Tiago Galli, chefe da área de Parcerias de Telecom do C6 Bank. (Com assessoria de imprensa)

Anterior Primeiro passo para a 5G é implantar a 4G no campo, diz Ericsson
Próximos Emissoras de TV consideram "mandatória" a saída da TV por parabólica da banda C