TIM aprofunda estratégia de monetização da base


Operadora quer obter receitas vendendo o acesso a seus clientes a startups e gigantes digitais. Prepara lançamento de clube de jogos que recompensa usuário com franquia de dados e de sistema para empresas verificarem nota de crédito

O CEO da TIM, Pietro Labriola, avisou hoje, 10, que a empresa está aprofundando sua estratégia de diversificação de receitas. O projeto, que começou com o C6 Bank, prevê fazer mais parcerias e comercializar o acesso a sua base de 50 milhões de clientes, de diferentes formas.

PUBLICIDADE

Durante coletiva de imprensa, o executivo contou que sua base de clientes, com 50 milhões de assinantes, é o principal ativo da companhia. “Nossa meta é sempre garantir a qualidade de serviço para esse cliente. Conseguindo isso, podemos ir ao mercado e atender empresas que estão em busca de clientes, sobretudo e empresas digitais que estão entrando no Brasil”, afirmou.

São empresas que, diz Labriola, podem se beneficiar da “interlocução” que a TIM possui com os clientes, dos canais de venda, dos canais de atendimento e da capacidade de cobrança da tele.

Esse modelo segue à risca o que aconteceu com o C6 Bank. Neste caso, o banco paga um valor específico por cliente trazido pela TIM. O contrato prevê até participação acionária da TIM no banco, caso metas de conversão sejam atingidas. “Nos próximos meses vamos aplicar esse modelo a outras indústrias”, reforçou Labriola.

Ele cita como exemplos de parceiros semelhantes a HBO Go, o Youtube Premium e a Netflix, que usando a base de clientes da TIM conseguem receber faturas pagas por boleto, de quem não tem cartão de crédito.

Novos produtos

Resultado dessa busca por novas fontes de receita, a TIM vai adotar ainda neste trimestre uma plataforma de segmentação de clientes, elaborada pela Accenture. A plataforma permitirá à empresa vender mais publicidade direcionada a seus usuários.

O serviço de publicidade da TIM, que entre anúncios nos celulares de clientes inscritos, conta atualmente com 15 milhões de pessoas cadastradas. Em 2020, os links divulgados em campanhas de publicidade pelo sistema geraram 450 milhões de visitas a sites, 125 milhões de visualizações de vídeos de anúncios.

Ainda neste trimestre, dará início à comercialização de score de crédito. Para isso, vai oferecer ferramenta desenvolvida pela empresa norte-americana Juvo. Um algoritmo vai rodar sobre os dados da base da TIM, sem que a Juvo tenha acesso aos dados pessoais do cliente, diz a empresa. E vai gerar o score e verificação de identidade para adultos que não tenham histórico formal de crédito.

No segundo trimestre, a operadora vai lançar o app Play2Pay, que dará acesso a jogos gratuitamente, mas exibirá anúncios. A ideia por trás do app é “quanto mais você joga, mais gigas você recebe”. Ou seja, o usuário vai ganhar créditos em franquia de dados para jogar e ver os anúncios.

Anterior TIM: Custos de construção da rede 5G pura e da rede 5G NSA são iguais
Próximos Oi não vai participar do leilão do 5G, diz seu vice-presidente