TIM já tem pedido na Anatel para MVNO


A TIM é a primeira empresa a entrar com pedido de parceria para um operador virtual na Anatel. A sua parceira será a Sermatel, uma operadora de VoIP e de ligação nacional e internacional, que atua no mercado brasileiro desde 2000 e que desde 2006 tem como sócio o operador português, Ora Telecom, conforme informações de seu site.

Embora a operadora de celular prefira não confirmar esta informação (visto que a Anatel ainda não concedeu a licença) comenta-se na agência que a TIM já demonstrou a sua inquietação quanto à demora na aprovação deste pedido, uma vez que a empresa apresentou o pleito ainda no ano passado.

PUBLICIDADE

E a sair esta licença em breve, o Brasil dará provas de que é mesmo um mercado diferenciado. Isto porque, as apostas de 10 entre 10 analistas eram de que os primeiros operadores móveis virtuais a surgirem no mercado brasileiro seriam os credenciados – cuja regulação é muito mais leve, e sequer precisa de autorização da Anatel. Ao invés de confirmar estas avaliações a TIM parte logo para uma parceria com um autorizado.

O MVNO autorizado é um operador de celular em todo o esplendor do serviço. Ou seja, ele terá numeração própria, terá que ter seu próprio serviço de atendimento ao cliente, fazer sua própria fatura, e cumprir todas as obrigações de qualidade estabelecidas pela Anatel. O credenciado, ao contrário, é muito mais um revendedor de minutos de celular do operador tradicional para mercados específicos, do que um operador em si.

Segundo dirigentes da Claro, há inúmeras empresas  procurando as operadoras para firmar parcerias de MVNO credenciadas, mas ainda não fechadas. “Quase todo mundo tem um amigo que tem uma boa idéia para montar um negócio com o celular”, brinca ele. O problema é justamente esta “boa ideia”se transformar em modelos de negócios sustentáveis e de interesse das operadoras.

Sermatel

Conforme informações do site da Sermatel, ela é uma das “espelhinhos”, que compraram licenças em 2000 para disputar o mercado de telefonia fixa. Com sede na cidade praiana carioca de Saquarema, a operadora acabou desistindo das autorizações de telefonia local que havia comprado para atuar em pequenos municípios do Rio de Janeiro, e se concentrou na oferta de serviços de VoIP e de ligações nacionais e internacionais, quando conseguiu o DDD 81  da Anatel.

Em 2006, ela funde-se com a Ora Telecom, com sede na cidade de Aveiros, no norte de Portugal. Agora, as duas juntas querem ser operadoras de celular em parceria com a TIM.

PUBLICIDADE
Anterior Minicom presta atendimento especial a radialista comunitário
Próximos Obrigatoriedade de inclusão do Ginga em TVs ganha adeptos