Tempo de uso de apps cresce 6% em 2017


O mercado de aplicativos continua a crescer — a receita mundial de lojas de aplicativos deverá chegar a US$ 110 bilhões este ano, de acordo com estimativas recentes da App Annie. No entanto, o tempo que as pessoas passam usando seus apps está começando a estagnar. O relatório anual “Status of Mobile 2017”, da consultoria Flurry, revela que o uso de aplicativos cresceu apenas 6% entre 2016 e 2017, bem abaixo dos 11% do ano anterior.

uso_appsA ritmo mais baixo de crescimento da atividade significa que os usuários estão chegando a um ponto de saturação, em que não podem dispender mais tempo do dia para usar aplicativos, segundo análise da Flurry. Em vez disso, eles estão mudando o uso de apps mais antigos por mais novos. E também passam tempo em uma variedade diversificada de aplicativos.

PUBLICIDADE

Segundo as pesquisas, existem vencedores e perdedores em termos de crescimento do uso de apps ao longo do ano passado. Os apps de compra se deram bem, com aumento de 54%. Destaque para o Flurry. As integrações de aplicativos com o Apple Pay e o Samsung Pay também ajudaram.

Outro grande vencedor em 2017 foi a categoria Mídia, Música e Entretenimento, que registrou um aumento de 43% em relação ao ano anterior no uso de aplicativos, já que os consumidores aumentaram seu consumo de mídia em dispositivos móveis.

As categorias de aplicativos com declínio (em crescimento) em 2017 incluíram Lifestyle e, surpreendentemente, Gaming. O relatório aponta para uma tendência relacionada ao uso das apps, mas que ainda não deve preocupar desenvolvedores e editores. Pois, afinal, os jogadores continuam gastando tempo e dinheiro em jogos móveis como nunca.

As aplicações de estilo de vida viram o maior declínio no crescimento, abaixo de 40% ano a ano. Isso indica que a categoria de aplicativos como um todo poderia estar lutando para construir hábitos de uso diário, sugere a Flurry.

Para gerar este relatório, a Flurry rastreou mais de um milhão de aplicativos, em 2,6 bilhões de dispositivos globalmente em 2017. Ele define o uso do aplicativo como usuário abrindo um aplicativo e gravando uma sessão.

O relatório completo também analisa outras áreas de uso móvel, incluindo a adoção do fator de forma e os principais fabricantes de dispositivos móveis. Aqui, descobriu que os phablets ainda são muito usados, representando 55% dos dispositivos ativos. (Com noticiário internacional)

Anterior 3.608 cidades têm cobertura 4G, afirma Telebrasil
Próximos Liberdade tarifária para DDD e ligação local entrará na agenda regulatória da Anatel