Teles pleiteiam adiar pagamento de R$ 2,5 bilhões de Fistel para dezembro


As entidades que representam as operadoras de telecomunicações – grandes e pequenas – Abrint, Abramulti, Neo, Sinditelebrasil e Telcomp – irão, cada uma, entregar seu posicionamento à Anatel sobre o que deve ser feito para o enfrentamento do Covid-19 hoje, 20, conforme foi estabelecido pela agência. Embora representem grupos diferentes, alguns pleitos serão os mesmos. E, entre eles, o adiamento do recolhimento das inúmeras taxas setoriais – como Fistel, Fust, Funtel e Condecine e o fim da contagem dos prazos regulamentares e das consultas públicas.

” As empresas estão tomando providências para atender ao aumento do consumo e as demandas da população – como a abertura de todos os canais de TV paga, por exemplo – mas também irão sofrer com o aumento da inadimplência. Diferentes setores econômicos estão reivindicando e conseguindo créditos e dispensas do pagamento de taxas. Nós vamos pedir apenas o seu adiamento”, disse um executivo do setor.

PUBLICIDADE

E uma das reivindicações que tem prazo certo para ser decidida – é a postergação do prazo de recolhimento das taxas (TFF) do Fistel – Fundo de Fiscalização das Telecomunicações. Todos os anos, todas as operadoras de telecomunicações devem recolher aos cofres da União no última dia do mês de março o montante referente a essa taxa, que é cobrada sobre todos os terminais de telecomunicações em serviço no país.

E as operadoras de celular são as principais arrecadadoras desse imposto, pois ele recai sobre cada chip em funcionamento. Em média, são pagos aos cofres públicos entre R$ 2,5 e R$ 3 bilhões ao ano. E é esse depósito que as empresas pleiteiam para que seja postergado para dezembro, para que os recursos sejam canalizados no fortalecimento das redes de telecomunicações.

Anterior Ministério da Economia tem comitê para a crise, com participação da Anatel
Próximos Positivo muda prazos de aluguel de notebooks