Tecnologia óptica que “escuta”


Paulo Curado, diretor de Inovação do CPQD

CPQD

1º Lugar

Categoria Fornecedores de Produtos

PUBLICIDADE

Produto Inovador: Fence Lite

Por Pedro Magalhães

[O Tele.Síntese vai publicar ao longo das próximas semanas as reportagens publicadas no Anuário Tele.Síntese de Inovação 2020, editado no final do ano passado e que pode ser baixado na íntegra e gratuitamente aqui]

Proteger condomínios, casas e empresas de roubos e invasões tem sido uma preocupação constante dos administradores desses locais. O problema é antigo e o mercado de segurança patrimonial, pujante. Foi mirando esse nicho de mercado que o CPQD, em parceria com a startup Alfa Sense, criou a solução Fence Lite. A tecnologia voltada para monitoramento de perímetros transforma um cabo de fibra ótica em sensor de vibração ultrassensível, capaz de “escutar” diferentes tipos de ruídos em sua estrutura. Instalada, a fibra vira “cerca”.

“Fizemos uma tecnologia muito fina, para resolver um problema muito prático. O mercado brasileiro de segurança patrimonial demanda muito isso,” conta Paulo Curado, diretor de Inovação do CPQD. Com uma camada de Inteligência Artificial sobre o sensoriamento acústico, esses ruídos podem ser categorizados por origem para eliminar falsos positivos. O sistema é capaz de detectar ações como tentativa de escalada, corte no alambrado, quebra do muro, corte da fibra, escavação, mas também consegue distinguir passos e alguém se apoiando na parede, por exemplo.

O Fence Lite roda em conjunto com outras aplicações voltadas à proteção perimetral, como câmeras, sirenes, centrais, leitores RFID e softwares de terceiros. Assim, no caso de uma intrusão à propriedade, pode emitir alarmes em tempo real.

Por ser baseado em fibra, o Fence Lite também é imune a raios e interferências eletromagnéticas e não requer energia elétrica ou infraestrutura em campo, já que basta fixar o cabo de fibra à superfície a ser monitorada.

“A solução é minuciosa e se adapta a qualquer ambiente. A fibra monitora um perímetro de 4km, podendo inclusive chegar a mais com uma rede ‘de lançamento’ conectando a fibra do perímetro à fibra da central,” afirma Marcos Sanches, gerente de Soluções em Sensoriamento do CPQD.

O projeto do Fence Lite começou a ser estruturado em outubro de 2019, com prototipação concluída em janeiro de 2020 e ida para a “prateleira” em outubro deste ano. Mas as bases que deram origem ao produto são mais antigas. Com o intuito de aproveitar a expertise que já possuía em fibra, o CPQD começou a desenvolver projetos de sensoriamento no setor elétrico para distribuidoras como Cemig, Eletropaulo e Eletronorte.

“Fomos formando parcerias com as empresas do setor elétrico. Uma das parcerias foi com a Cemig e começamos a fazer projetos de sensoriamento juntando algumas tecnologias. E da Cemig veio a indicação de uma equipe que poderia trabalhar conosco”, relata Curado.

Com experiência em soluções importadas para esse mercado, a equipe incluía os sócios que fundaram a Alfa Sense, há cerca de dois anos. O CPQD começou então a trabalhar com a Alfa Sense em diferentes projetos, um dos quais para o desenvolvimento da solução que mais tarde seria batizada de Fence Lite.

A proposta da startup era criar um produto de sensoriamento acústico com preço inferior ao das soluções importadas – produtos similares no mercado internacional podem chegar a 20 mil dólares. De acordo com Sanches, com a manufatura de escala, o valor final alcançado apresenta redução de até 50%. A comercialização é feita pela
Alfa Sense através de integradores.

Atualmente, o Fence Lite se prepara para ganhar outros mercados, com contrato de exportação firmado com mais de 19 países. A América Latina, com demandas de proteção patrimonial similares às do Brasil, é uma das regiões a serem exploradas.

Mas ainda que o mercado de segurança seja o portão de entrada para a solução, o Fence Lite não deve ficar fechado nesse segmento. A ideia é que dê origem a produtos voltados para diferentes verticais, como defesa (proteção de fronteiras), mineração (monitoramento de barragens e transporte de minério) e óleo e gás (Detecção de furto de combustível, vazamentos).

Anterior Quando tamanho é documento
Próximos Anatel busca Coesão para a regulamentação