Tecnologia nacional para TV digital, Ginga C, é aprovada e vai para o Bolsa Família


O Fórum de TV digital – entidade que reúne os radiodifusores, os fabricantes de aparelhos e o mundo acadêmico – aprovou hoje, 8, por maioria de votos, as especificações técnicas do Ginga C, o middleware nacional que permite a interatividade da TV digital. Agora, essas especificações serão colocadas em consulta pública pela ABNT, por 60 dias, para depois serem incorporadas aos conversores de TV a serem distribuídos às famílias do Bolsa Família.

As especificações técnicas do Ginga C, o software nacional que permite a interatividade da TV digital, foram hoje,8, aprovadas pelo Forum da TV digital, entidade que reúne os radiodifusores, os fabricantes de aparelhos de recepção e de transmissão e a comunidade acadêmica. Essas especificações vão passar, agora, por consulta pública de 60 dias da ABNT – Associação Brasileira de Normas Técnicas -, mas a avaliação é de que haverá poucas mudanças no padrão. Com esta definição, a EAD (empresa operacional da transição analógica /digital) poderá lançar a licitação no mercado e cotar o preço dos 14 milhões de conversores que serão distribuídos aos integrantes do Bolsa Família.

A reunião de hoje acabou aprovando as normas técnicas, com os votos contrários dos quatro representantes da indústria de recepção (AOC, LG, Samsung e Sony). Mais calmos, segundo interlocutores que participaram da reunião, os representantes das empresas multinacionais defenderam a necessidade de realização de testes com esta tecnologia, pois, de fato, o Ginga C ainda não passou por testes de laboratório ou de campo. Este foi o principal argumento dos votos  contrários à tecnologia nacional.

A primeira versão da tecnologia, o Ginga A, não permitia que fosse feito o download de dados pela faixa da radiodifusão, o que o Ginga C vai permitir. Com isto, fica assegurado o acesso às informações de e-cidadania (como os serviços de governo de saúde, previdência, etc.) de maneira gratuita. O canal de retorno terá que ser feito via rede de celular, com modem a ser distribuído ou comprado separadamente.

A expectativa dos integrantes do Forum é de que, com esta especificação, as operadoras de telecom lancem a licitação para aquisição dos conversores neste mês. Os aparelhos passariam a ser adquiridos a partir de setembro ou outubro deste ano, enquanto os testes serão realizados. Em novembro, a primeira cidade a ter o seu canal desligado, Rio Verde, tem que estar pronta.

Ultrapassada esta etapa, outro desafio é o governo definir – e criar – os apps que estarão disponíveis no Ginga C para serem acessados pelos brasileiros de baixa renda. .

Anterior AT&T vem às compras? Ou quer vender a Sky?
Próximos Telecom Italia nega conversas com a Orange