Tecnologia e soluções inteligentes unem cidades pequenas e grandes


Edson Vilela, prefeito de Carmo do Cajuru/Crédito: TV.Síntese
Edson Vilela, prefeito de Carmo do Cajuru/Crédito: TV.Síntese

O que o município mineiro Carmo do Cajuru, com 24 mil habitantes, tem de semelhante com a cidade de Belém do Pará, com mais de 2,2 milhões de moradores? A resposta é muita tecnologia e soluções usadas para melhorar as gestões e a vida das pessoas. Foi o que mostraram os prefeitos Edmilson Rodrigues, de Belém, e Edson Vilela, de Carmo do Cajuru, durante participação no SmartCities Mundi, nesta quarta-feira, 22.

Em Belém, um cadastro cartográfico georreferenciado foi capaz de localizar 140 mil novos imóveis, aumentando a arrecadação do município, mas também foi capaz de indicar onde falta equipamentos de saúde, educação e segurança, direcionando as políticas públicas para um atendimento mais racional da população.

PUBLICIDADE

Paralelamente, por meio de financiamento do BID e de adesão a programa federal de conectividade, Rodrigues está garantindo a conectividade para as 203 escolas públicas. Assim como com a participação de cientistas da universidade local, iniciou um projeto para tornar Belém Inteligente, com criação de Iara, a inteligência artificial que ajudará os cidadãos a resolver seus problemas com a prefeitura.

Outra plataforma implantada pela prefeitura de Belém assegura a participação popular na construção de políticas públicas, como a “Tá selado”, que já tem orçamento específico para atender as prioridades elegidas pela população. “Já temos 1.600 conselheiros cadastrados e nosso objetivo é ampliar esse número de participação cidadã para apontar as obras mais urgentes”, afirma Rodrigues.

E ainda por meio de uma parceria público-privada, Belém elegeu 41 produtos, que serão entregues durante os 24 anos da concessão. Entre eles, a troca da iluminação pública e a implantação de WiFi de alta qualidade nas praças públicas.

5G

Com um orçamento bem menor que o de Belém, o prefeito de Carmo do Cajuru, Edson Vivela, recorreu a uma parceria público-privada para modernizar a cidade. Para atrair as empresas, ele incluiu cinco áreas a serem atendidas pela PPP. Iluminação pública, geração de energia fotovoltaica, videomonitoramento e conectividade em fibra óptica e Wi-Fi público fazem parte do pacote da concessão, com prazo de 25 anos.

Em funcionamento desde 2020, a PPP já trocou por lâmpadas de led o sistema de iluminação pública, gerando 73% de economia; implantou 12 miniusinas de energia solar nos tetos dos órgãos públicos e já conectou com link dedicado todas as secretarias e unidades municipais. Segundo Vilela, como o contrato é flexível e pode incluir novas tecnologias, a empresa já começa a implantar o 5G na cidade.

A PPP foi tão bem estruturada que foi selecionada como uma das cinco melhores do mundo, pela ONU, como exemplo de solução para cidades inteligentes. “É uma parceria que traz ganhos para a empresa, prefeitura e moradores e todas as etapas são acompanhadas por um verificador independente”, ressalta Vilela.

O SmartCities Mundi é um evento produzido pelo Tele.Síntese e que este ano contou com a parceria do Fórum das Américas. O objetivo é debater as inúmeras soluções tecnológicas que podem tornar as cidades mais humanas, seguras e integradas.

PUBLICIDADE
Anterior Uso do solo precisa de regras, diz especialista em agricultura sustentável
Próximos Dados abertos no Brasil: onde estamos e onde podemos chegar, segundo especialistas