Tecnologia 3G: revolução na telefonia celular.


Ao pensarmos no termo 3G, fica claro que houveram versões anteriores da tecnologia, já que ele designa a terceira geração das redes móveis. Resumidamente, podemos dizer que 1G refere-se ao sistema analógico de telefonia celular, que era utilizado exclusivamente para tráfego de voz.  O 2G presenciou o nascimento do telefone celular digital, cuja tecnologia é muito boa para o tráfego de voz, porém, deixa a desejar quando o assunto é transmissão de dados em alta velocidade. Isto acontece porque o meio utilizado para transmissão de dados é basicamente o mesmo utilizado para transmissão de voz. Ou seja, a largura de banda é limitada.

A partir do crescimento da demanda por tráfego de dados, ficou evidente a necessidade do desenvolvimento de uma tecnologia que permitisse a transmissão e a recepção de dados em alta velocidade. Assim, finalmente chegamos à tecnologia 3G, cuja principal inovação ao usuário de telefone celular é a navegação na Internet sem a utilização de fios, suportando tráfego de dados em alta velocidade e com maior eficiência. A variação da velocidade de um celular 3G é de 384 Kbit/s (Kilobits por segundo) até 7,2 Mbit/s (Megabits por segundo), permitindo o download de arquivos como jogos, músicas e vídeos, além de aplicações como vídeo chamada.

Mas esta tecnologia não se restringe aos telefones celulares convencionais. Utilizando-se modems ou cartões de dados com tecnologia 3G, os computadores e notebooks também podem ser conectados à Internet. Existem também os roteadores 3G, que permitem o compartilhamento do acesso à Internet para diversos usuários.

PUBLICIDADE

Diante de tantas alternativas, a tecnologia 3G tornou-se uma excelente opção para a oferta de serviço para banda larga. Além da mobilidade, podemos listar uma grande quantidade de aplicações para esta tecnologia:
– Para as operadoras que não possuem rede de conexão fixa, o acesso 3G é a solução ideal para oferta de banda larga;
– Acesso à Internet em áreas rurais;
– Com a utilização de um roteador 3G, uma operadora pode oferecer o compartilhamento do acesso à Internet para usuários que possuem mais de um computador. Existem ainda roteadores 3G que possuem uma porta para a conexão de um aparelho telefônico tradicional, permitindo a oferta dos serviços de voz e dados combinados num único produto;
– Compartilhamento do acesso 3G em eventos especiais (convenções, feiras e shows, entre outros), onde o acesso à Internet por meio de um ponto fixo muitas vezes não é oferecido devido à falta de infra-estrutura;
– Viajantes em ônibus, trens ou embarcações podem manter-se conectados e desfrutando de todas as facilidades da Internet;
– Alguns roteadores possuem duas interfaces de conexão com a rede, geralmente uma fixa (porta Ethernet) e outra 3G. Deste modo, o usuário estará sempre conectado, evitando os transtornos causados por quedas temporárias na rede de telefonia celular.
Sem dúvida, a tecnologia 3G é uma realidade em centenas de países de todo o mundo e está crescendo exponencialmente no mercado brasileiro.

Porém, como a demanda atual pelo serviço 3G oferecido pelas operadoras é extremamente grande, isto pode acabar causando um "gargalo" nas redes de telefonia, fazendo-se necessário investimentos em infra-estrutura por parte das operadoras, de modo a garantir um serviço com boa qualidade, sem congestionamentos no acesso à rede e ampla cobertura.

Neste cenário, podemos verificar que a tecnologia 3G possibilita a oferta de novos serviços e inúmeras aplicações, trazendo grandes benefícios para os usuários, além de ser uma nova fonte de receita para as operadoras.

* Giovani Pacífico é gerente de produtos da D-Link para a área de telecomunicações

Anterior Telefônica constata redução de 67% no furto de cabos
Próximos Demora da decisão sobre Speedy gera apreensão entre provedores