Teatro Vivo promove a transmissão de espetáculos online


O Teatro Vivo inicia neste sábado, 20, às 20h, uma programação inédita de espetáculos com transmissão ao vivo, diretamente da residência dos artistas. Quem abre a programação, composta por cinco monólogos, é o ator Mouhamed Harfouch, que faz a pré-estreia da peça “O Homem de Lata” neste novo formato.

O monólogo é escrito por Harfouch em parceria com Moisés Liporage e tem direção de João Fonseca. Os ingressos são gratuitos, mas limitados. Interessados podem se inscrever via perfil da operadora no Instagram. Os convites serão liberados semanalmente e divulgados através do canal. Segundo a empresa, clientes Vivo Valoriza terão cota especial de convites disponibilizada pelo programa.

A iniciativa, inédita para o teatro brasileiro, tem por objetivo aproximar público e arte e marcar o apoio da empresa à classe artística, que teve seu trabalho impactado pelo fechamento dos espaços culturais durante a pandemia. “Entendemos que nosso papel como apoiadores da cultura no Brasil é também encontrar soluções para levar entretenimento de qualidade e incentivar a produção artística neste momento tão delicado pelo qual todos estamos passando” revela a Diretora de Imagem e Comunicação da Vivo, Marina Daineze.

Programação

Além de “O Homem de Lata”, a programação online inclui outros quatro espetáculos, com apresentações sempre aos sábados, às 20h. Dia 27 de junho, Elias Andreato dirige e interpreta “Pessoa”, do poeta Fernando Pessoa. No dia 04 de julho será a vez da peça “Louca de Amor, Quase Surtada”, com texto e interpretação de Lena Roque. A direção é de Lena e Roque Balbyns. Em 11 de julho, Cássio Scapin apresenta e dirige o clássico de Anton Tchecov, “Os Malefícios do Fumo”. Luciana Carnieli encerra a programação, dia 18 de julho, com a peça de sua autoria e direção, “Meu abajur de injeção”.

PUBLICIDADE

Cultura

Há 16 anos, a companhia apoia iniciativas ligadas ao teatro, museus e artes plásticas. Em 2019, renovou seu compromisso com a arte ao revitalizar o Teatro Vivo, em São Paulo. E, de forma gratuita, mantém o projeto “Ciclo de Leituras Teatrais”, que apresenta ao público parte do processo de criação e direção de um espetáculo.

A empresa apoia ainda, espaços multiculturais como o Palácio das Artes em Minas Gerais, além do Museu de Arte Moderna de São Paulo (MAM), do Masp e Instituto Inhotim. Além disso, em 2020, lançou a plataforma Vivo Cultura que consolida as iniciativas da operadora, voltadas à arte, com o propósito de ampliar o acesso a esses conteúdos. (Com assessoria de imprensa)

Anterior Decreto presidencial detalha o conceito de "canal de rede"
Próximos Cisco fornece insights de rede