TCU rejeita pedido de cautelar contra a proposta do edital do 5G


O ministro Raimundo Carreiro negou, nesta quarta-feira, 24, o pedido de medida cautelar a respeito de possíveis indícios de irregularidades relacionas à proposta de edital do leilão do 5G. Na sessão plenária do Tribunal de Contas da União (TCU), o relator, entretanto, atrelou o processo ao que está avaliando a licitação.

A representação foi assinada pelo subprocurador-geral junto ao TCU Lucas Rocha Furtado. Na justificativa, o autor quer evitar que no edital seja adotado, em razão de questões ideológicas, exigências restritivas à competição que sejam desvinculadas do interesse no desenvolvimento tecnológico e no futuro do Brasil.

PUBLICIDADE

Em sua manifestação, Furtado afirma que “ as matérias jornalísticas apresentadas demonstram haver fortes indícios de que o futuro Leilão do 5G pode se realizar com a eventual exclusão da empresa Huawei, sem que essa decisão se ampare em critérios técnicos e concorrenciais claros”, o que configuraria a ampliação de “incertezas e inseguranças jurídicas que podem prejudicar a finalidade precípua da licitação e o seu objetivo último: a prestação de adequado serviço à população” tendo por base o que foi relatado em notícias publicadas na imprensa e anexadas à sua representação.

Com base nessas matérias, o subprocurador-geral requereu que o Tribunal conheça desta representação para, no cumprimento de suas competências constitucionais de controle externo de natureza contábil, financeira, orçamentária, operacional e patrimonial da Administração Pública Federal, decida pela adoção das medidas necessárias a:

a) Assegurar que a futura licitação para concessão das frequências de 700 MHz, 2,3 GHz, 3,5 GHz e 26 GHz, tendo por objeto a realização do Leilão da Rede 5G, seja orientada pelos interesses nacionais, considerando-se aspectos relacionados à segurança nacional, desenvolvimento tecnológico, transferência de tecnologia, segurança de dados e da intimidade da vida privada dos consumidores, capacidade real de eventuais concessionárias vencedoras do leilão de implementarem as redes e manterem os serviços adequados, nos termos da Lei nº 8.987/1995;

b) assegurar-se de que eventual decisão de se excluir a empresa Huawei do leilão ou de qualquer outra não seja adotada sem estar amparada em rigorosos e transparentes critérios técnicos e concorrenciais, de modo a evitar incertezas e inseguranças jurídicas que podem prejudicar a finalidade precípua da licitação e o seu objetivo último: a prestação de adequado serviço à população, prevenindo-se a influência de questões meramente ideológicas, de interesses governamentais imediatos, meramente arrecadatórios e eleitorais;

c) impedir, mediante a adoção de medida cautelar, que a Anatel publique o edital do leilão da Rede 5G até dispor de estudos que demonstrem impedimentos concretos para a participação da empresa Huawei quando considerados os aspectos referidos no item anterior.

O ministro Carreiro justificou a rejeição do pedido por não atender o requisito de apresentar indícios suficientes de irregularidade, como determina o regimento interno do TCU. No seu relatório, ele afirma que a unidade técnica que, ao contrário do que consta da representação, não viu qualquer cláusula na minuta de edital nem no voto do Conselheiro-Relator da Anatel que proíba as operadoras que arrematarem lotes de frequências na licitação do 5G de comprar equipamentos da Huawei para instalar suas redes de 5G.

Anterior PL das startups volta para Câmara e emendas do Senado ganham críticas da Assespro
Próximos Telefônica distribuirá juros e dividendos acima do lucro líquido de 2020