Notícias com o tag

operadora de celular


A empresa criada pelas operadoras de celular para tocar o processo de desligamento da TV analógica, poderá ter mudança de diretor executivo a cada 12 meses.

A operadora italiana que fazer uma IPO (oferta pública de ações) de 40% da subsidiária Inwit, que possui hoje 11,5 mil sites de equipamentos de celulares em todo o país.

A TIM está apostando alto nas pequenas estações rádio-bases – a small cells – para melhorar a capacidade de sua rede de dados e, consequentemente, a qualidade do serviço. Segundo o CTO da operadora, Leornardo Capdeville, em cerca de mais um mês a empresa fechará a negociação com os fabricantes, para a aquisição de um volumoso lote pelo menos três mil equipamentos, a serem instalados no período de três anos. “ A small cell só se consolidou como opção tecnológica viável no final do ano passado”, assinalou o executivo, que fez alguns testes-pilotos com diferentes soluções e agora está pronto para comprar o produto em larga escala.

Entre os projetos que o executivo tocou aqui no Brasil estão o acordo de ran sharing 4G com a Oi e o MBB, para melhorar a navegação dos usuários.

O objetivo dos padrões do 3rd Generation Partnership Project (3GPP) é reduzir o consumo de energia pela rede, entre outros.

A Britsh Telecom anunciou os termos finais do acordo de compra da operadora de celular EE, por 12,5 bilhões de libras esterlinas.

Foi publicada hoje no Diário Oficial da União a autorização da Anatel para que a Alô Serviços de Telefonia Móvel atue como credenciada de celular da rede da Vivo. Esta licença é inédita por duas razões: é o primeiro credenciamento de um MVNO (aquele que atua como revenda de chip, mas oferece serviços e tarifas próprios) e é a primeira licença de celular concedida para uma igreja. Neste caso, a Assembleia de Deus.

A empresa assinou acordo com a Telefónica para lançar uma operadora de celular na rede da espanhola no início de 2016.

A ECT iria lançar uma operadora móvel virtual com os Correios italianos, que desistiram da empreitada. Agora, a empresa brasileira refaz o modelo de negócios, pensando, inclusive, no credenciamento, e não mais em autorização, devido à queda da interconexão.

Conforme o Wall Street Journal, a empresa já teria fechado acordo com a Sprint e T-Mobile para atuar como MVNO e vender pacotes de dados diretamente aos consumidores.

Para comemorar, a TIM decide que o tráfego de dados das mensagens no chat do aplicativo deixará de ser contabilizado nos pacotes de internet contratados

A disputa pela fusão da Portugal Telecom com a Oi e a venda da Portugal Telecom para a francesa Altice, cuja assembleia marcada para deliberar o assunto ocorrerá nesta quinta, 22, não ocorre mais nas assembleias, na mídia e nas Comissões de Valores Mobiliários do Brasil e de Portugal. Ela vai também para os tribunais. Carta enviada hoje pelo presidente da Oi, Bayard Gontijo, ao presidente da CMVM de Portugal e ao presidente da assembleia geral da PT, afirma que o ex-presidente da PT SGPS, Henrique Granadeiro apresentou informações falsas sobre a dívida da RioForte e vai ser processado por isto.

A BT selou acordo exclusivo com a Orange e Deutsche Telekom para adquirir, por US$ 19,5 bilhões ( ou 12,5 bilhões de libras) mais ações, a maior operadora de celular do Reino Unido.

As operadoras de celular acabaram de dar um cheque de R$ 5 bilhões ao governo federal pelas frequências 700 MHz. Mas as empresas continuarão com dificuldades para ocupar esta faixa e melhorar a qualidade da telefonia celular no Brasil. O Projeto de Lei Geral das Antenas – pelo qual o Ministério das Comunicações e as operadoras trabalham por sua aprovação desde 2012- não será incluído na pauta de votação deste ano do Senado Federal. E no próximo ano, com novo parlamento, também será um novo recomeço para o projeto.

A TM Data apostava no mercado brasileiro M2M desde 2005. Este ano, após a fusão com a Wyless, a WylessTMData continua otimista com este segmento, que cresce 15% ao ano.

Com esta assinatura, entra no caixa do governo cerca de R$ 4,9 bilhões das quatro empresas de celular – Algar Telecom, Claro, TIM e Vivo – que participaram do leilão promovido pela Anatel em setembro. Mas poderá ainda haver uma arrecadação extra se as empresas optarem por usar a faixa de 1,8 GHz. Esta opção deverá ser comunicada à Anatel até o dia 1º de dezembro, informou o superintendente de Regulação, Alexandre Bicalho.

As quatro operadoras de celular que arremataram os lotes de frequência de 700 MHz no leilão da Anatel realizado no mês passado (setembro) deverão pagar à vista por suas frequências, embora o edital permita a possibilidade de se pagar neste primeiro momento apenas 10% do valor oferecido e o restante em até cinco anos. O governo vai receber em novembro, quando a Anatel assinar o contrato com Algar Telecom, Claro, Tim e Vivo, um cheque de pelo menos R$ 5,851 bilhões. Mas o pagamento extra pela reocupação das frequências ainda não é certo, e, neste caso, as operadoras fazem contas para se certificarem se vai mesmo valer a pena desembolsar outros R$ 422 milhões.

A TIM está apostando no incremento do consumo de dados dos brasileiros e cria o MBB (Mobile Broadband), programa voltado para melhoras os sites de 3G e 4G da empresa.

O diretor de regulação e atacado do grupo espanhol, José Juan Haro, citou relatório do GSMA que critica governo mexicano por criar operadora única de atacado com faixa de 700 MHz.