Notícias com o tag

5 ghz


A Abrint quer para os pequenos provedores a frequência de 450 MHz e levar internet para as zonas rurais

A área técnica da Anatel já concluiu os estudos, que começarão a ser encaminhados para a avaliação do Conselho Diretor, sobre quais deverão ser as frequências a comportar as novas demandas por comunicação de dados da 5G. Voltará para a pauta a faixa de 3,5 GHz e novas propostas no mínimo ousadas, como TDD móvel. As informações foram divulgadas por Agostinho Linhares, gerente de frequência.

Vendors que participam do Mobile World Congress, em Barcelona, que termina nesta quinta-feira, informam que a tecnologia 4,5 GHz (que fornece a velocidade de conexão do celular de mais de 300 Mbps) estará comercialmente disponível neste semestre na Capital da República. Embora não confirmem a empresa que irá sair na frente com a LTE-Advanced, tudo indica que será a Claro, que já testa essa tecnologia desde 2015.

O provedor vai ter apenas que instalar as antenas e se conectar à rede da Surf Telecom. Ela vai cobrar por usuário conectado.

A maior parte dos convocados, que não têm mais pendências de documentos, compraram banda na faixa de 2,5 GHz, As convocadas são mais de 80.

Como são muitos lotes na banda C, o mesmo total de municípios brasileiros, a expectativa é de que para parte deles não seja apresentada proposta.

Editado pela Momento Editorial, traz o passo a passo da licitação, numa tradução simplificada do edital.

A lista dos lotes tipos A, B e C e o preço mínimo de cada subfaixa de frequência estão no site da Anatel. Os lotes em FDD, nas faixas 1.800 Hz, 1.900 MHz e 2.500 MHz são bem mais valorizados que os em TDD, estes destinados a quem quer atuar em uma ou mais cidades.

Ambiente macroeconômico dificulta investimentos em infraestrutura e atendimento das metas de cobertura, segundo Carlos Zenteno. “Não queremos mudar as metas. Não fugimos delas. Queremos estender os prazos”, disse.

O conselho diretor da Anatel aprovou hoje, 22, o edital defiitivo de venda das sobras de frequências das faixa de 1,8 GHz (FDD), 2,5 GHz (FDD) e 1,9 GHz (TDD) e 2, 5GHz (TDD), com condições mais vantajosas para estimular o ingresso de novos competidores e pequenos provedores, mas não conseguiu fechar o preço mínimo, pois ainda está em negociações com o Tribunal de Contas da União (TCU). A expectativa é que em 15 dias esta negociação seja concluída, o edital lançado em novembro, e o leilão realizado ainda em dezembro deste ano. Mas o dinheiro só entrará nos cofres do governo em 2016.