Notícias com o tag

3 GHz


Empresa desenvolveu o produto em parceria com a ISH - crédito: divulgação

A Algar Telecom disputou mais de 10 rounds com a TIM pelo espectro destinado a sua área original, que congrega o Triângulo Mineiro e alguns municípios de São Paulo, Goiás e Mato Grosso.

TIM e Vivo arrematam os lotes de 40 MHz da faixa de 2,3 GHz, depois que Claro e Brisanet compraram todos os lotes de 50 MHz da mesma frequência.

Operadora foi a única a apresentar proposta e pagou pouco acima do preço mínimo

O CEO da operadora, Rui Gomes, busca fazer consórcio entre empresas do Nordeste, mas não descarta ir sozinho ao leilão para arrematar a frequência de 26 GHz.

Para a Anatel, é possível antecipar a oferta do 5G em locais e cidades onde não haverá a interferência do serviço nas antenas parabólicas de TV, mas a alteração das metas de cobertura das capitais brasileiras para uma das operadoras seria uma operação muito complexa de ser aprovada.

O Tribunal aponta como incompletos os estudos apresentados pela Anatel para encontrar os preços das faixas de 700 MHz, 2,3 GHz, 3,5 GHz e de 26 GHz, além da inexistência de documentação sobre as redes privativa do governo e da Amazônia (Pais). Somente depois de fornecidas todas essas informações é que começará a contar o prazo de 90 dias para o Tribunal se manifestar.

Gustavo Correa, do Fórum Iot, disse que, à exceção das ondas milimiétricas ( de 27 GHZ), a proposta da Anatel para as empresas que não são de telecomunicações é a ocupação de espectro licenciado sem prioridade, o que, na sua opinião, não traz segurança para os investidores.

A Abrint quer que os ISPs tenham direito a usar a frequência das grandes operadoras, em caráter secundário, nas cidades onde essa tecnologia só vai chegar em dois anos. Embora ainda defenda licenças por município, aceita as áreas sugeridas pela Anatel na consulta pública

Pequenos e entrantes poderão adquirir espectro em 3,5 GHz através de disputa conhecida como “beauty contest”, em que a promessa de mais obrigações entregues leva as frequências. As grandes que já operam serviço móvel no Brasil serão obrigadas a disputar lances por preço, construir redes de transporte de alta capacidade e resolver a interferência sobre a TVRO.

O relator da consulta pública do leilão de frequências da Anatel, Vicente Aquino, pediu mais 30 dias para apresentar seu voto, alegando que precisa aguardar a solução da interferência nas TVs por parabólicas (as TVROs). O presidente da Anaatel, Leonardo de Morais, reforçou a sua posição pela publicação imediata da consulta pública, mas apoiou esse adiamento, por uma única vez.