SES-17 começa a fornecer serviços de conectividade nas Américas


Satélite SES-17 durante sua construção (Foto: Divulgação)
Satélite SES-17 durante sua construção (Foto: Divulgação)

A SES começou a operar comercialmente o satélite GEO de banda Ka, o SES-17, lançado ao espaço em 2021. O artefato cobre as Américas, o Caribe e o Oceano Atlântico, e fica localizado na posição 67,1º Oeste. O satélite de propulsão totalmente elétrica alcançou sua posição planejada na órbita geoestacionária de acordo com o cronograma, após meses de elevação e testes bem-sucedidos.

Com isso, o SES-17, construído pela Thales Alenia Space, está pronto para fornecer serviços de conectividade. O foco, diz a empresa, serão os mercados aeronáutico, marítimo, industrial e governamental.

PUBLICIDADE

A Thales InFlyt Experience, parceira do SES-17, aproveitará a capacidade do satélite para o FlytLive, uma solução de conectividade de aviação para WiFi de bordo em aeronaves comerciais nas Américas e no Caribe. Além disso, os principais clientes corporativos no Brasil, Argentina, Colômbia, México, Canadá, incluindo SSi Canadá e COMNET, expandirão suas redes de banda larga para áreas mais remotas.

Com uma carga útil totalmente digital e cerca de 200 feixes de usuário, o SES-17 é um primeiro passo na integração da rede multiorbital da SES. A carga digital da espaçonave é controlada pelo software Adaptive Resource Controller (ARC), tornando-a interoperável com o sistema de comunicações dos satélites O3b mPOWER de segunda geração da SES em órbita terrestre média (MEO), programados para serem lançados nos próximos meses.

O SES-17 foi lançado com sucesso a bordo de um foguete Ariane 5, operado pela Arianespace, do Porto Espacial da Europa em Kourou, Guiana Francesa, em 23 de outubro de 2021 às 23h10, horário local (02h10 UTC). O SES-17 é o 37º satélite da SES lançado pela Arianespace e o 30º construído pela Thales Alenia Space, juntando-se à atual rede de satélites de 70 satélites da SES. (Com assessoria de imprensa)

PUBLICIDADE
Anterior Empresas de estações profissionais FSS devem solicitar filtros à Siga Antenado
Próximos Sucesso de uma smart city depende de administração coesa e experimentação