Senado aprova projeto que isenta Internet das Coisas de Fistel


O Plenário do Senado aprovou nesta quinta-feira, 19, o PL 6.549/2019, que isenta o recolhimento do Fistel dispositivos móveis de Internet das Coisas. Pelo texto, ficam zeradas as taxas de fiscalização e instalação dos sistemas de comunicação máquina a máquina. A isenção tem prazo de cinco anos. O texto também dispensa a licença para esses equipamentos funcionarem. Agora a proposta segue para a sanção do presidente da República.

O autor do projeto é o deputado federal Vitor Lippi (PSDB-SP). No Plenário do Senado, o relator foi Izalci Lucas (PSDB-DF).

PUBLICIDADE

Em seu parecer, Izalci Lucas afirma que o projeto estimulará aumentos de produtividade. “Julgo inadequado que se exija o licenciamento prévio e que se tribute essa tecnologia da mesma forma que se fez com os tradicionais serviços de telecomunicações. A Internet das Coisas deverá ser ainda mais impactante para a economia do que foi a introdução da telefonia móvel celular, que transformou a maneira como as pessoas se comunicam diariamente”, argumenta ele no relatório.

Ao recomendar a aprovação do texto da forma como veio da Câmara, Izalci Lucas apresentou apenas emendas de redação para deixar claro que a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) já regulamenta os sistemas de comunicação máquina a máquina (de acordo com o artigo 38 da Lei do Regime Especial de Tributação).

O senador também explicitou no texto que os benefícios tributários estabelecidos na proposta terão vigência de cinco anos e começam a vigorar em 1º de janeiro de 2021. A cláusula de vigência original estabelecia prazo de 90 dias para a entrada em vigor da nova lei. (Com Agência Senado)

Anterior WhatsApp baniu mais 1 mil contas por desinformação eleitoral
Próximos Segue à sanção o PL do uso do Fust em inovação e banda larga rural