Sem intermediários


Sumicity

3º Lugar

PUBLICIDADE

Categoria Operadoras Regionais

Serviço inovador: Assine Sumicity

[O Tele.Síntese vai publicar ao longo das próximas semanas as reportagens publicadas no Anuário Tele.Síntese de Inovação 2020, editado no final do ano passado e que pode ser baixado na íntegra e gratuitamente aqui]

Por Lúcia Berbert

Com o objetivo de aprimorar seus canais com o consumidor, a Sumicity lançou, no início de fevereiro, uma solução que permite a assinatura dos serviços sem qualquer intermediação de uma pessoa. A partir de março, com a chegada
da pandemia da Covid-19, esse passou a ser o principal canal de captação de clientes da empresa, que já conta com 270 mil assinantes nos três estados do Sudeste, sua base de operação.

A solução, denominada Assine Sumicity, integra todos os processos de uma compra on-line, que antes era feita por etapas, afirma o CTIO da prestadora, Carlos Sena. “Até então, o consumidor fazia o cadastro on-line e depois esperava contato da empresa para dizer se o cadastro foi aprovado e a possibilidade de instalação”, afirma.

O novo arranjo faz uma série de integração de sistemas, que funcionam independentes, para permitir a compra 100% on-line. Ou seja, reúne os sistemas CRM, OSS e WfM e, ainda, assegura a instalação dos serviços no prazo de 24 horas.

Traduzindo, o Assine Sumicity avalia a capacidade financeira e de crédito do pretendente a assinante, verificando possibilidade de fraude. Ao mesmo tempo faz um inventário da rede, do sistema de suporte e se há rede em frente à casa do consumidor. Por fim, faz a gestão da força de trabalho, verificando a disponibilidade do técnico para fazer a instalação, por meio do sistema WfM.

“É uma inovação relevante e atende a uma parcela dos consumidores que gostam de pesquisar e comprar serviços de forma totalmente automatizada”, ressalta Sena. Mais importante ainda foi o time de lançamento, que precedeu
um período de quarentena, distanciamento social e fechamento das lojas físicas, provocados pela Covid-19.

Segundo Sena, a solução agradou ao mercado e aos concorrentes. Tanto é assim, que somente quase 10 meses depois de lançado, uma operadora de grande porte inaugurou produto semelhante, conta o executivo.

Agente credenciado

Se o Assine Sumicity foi desenvolvido antes da chegada da pandemia, outro produto da prestadora foi criado exatamente para driblar as dificuldades trazidas pela crise sanitária. É o caso do Agente Credenciado Sumicity, que começou oferecendo aos clientes a conveniência da impressão de boletos em agentes credenciados que também oferecem serviço de pagamento de contas (lotéricas, supermercados, farmácias).

O serviço foi ativado em duas semanas, tendo em vista as dificuldades que muitos clientes, que sequer têm contas em banco, enfrentavam para pagar a mensalidade, comenta Sena. Devido ao sucesso, foi criada uma segunda fase para
permitir que o agente credenciado passasse a vender os serviços da prestadora, gerando uma nova fonte de receita para esses parceiros.

“Nossa atuação é principalmente no interior do Rio de Janeiro, cidades da Zona da Mata de Minas Gerais e cidades do Espírito Santo, onde muitas vezes só existe um correspondente bancário, então essa iniciativa, de cunho social, foi extremamente importante e, por isso, foi preservada”, disse o CTIO. Ele ressalta que o investimento é pequeno, com o fornecimento de apenas uma impressora e acesso à internet aos agentes.

Criada em 2004, no interior do Rio de Janeiro, a Sumicity inovou ao fibrar 100% da sua rede, em 2014. Em 2018, também foi um dos primeiros ISPs a receber aporte de fundos de investimento, o EB Capital, permitindo a aceleração do crescimento da empresa. Recentemente, o mesmo fundo comprou o controle da Mob Telecom,
com sede em Fortaleza (CE).

Em 2018, a Sumicity atendia 89 mil clientes em 22 cidades. Hoje, soma perto de 270 mil assinantes em 52 municípios. “Se levarmos em conta a média de cinco habitantes por residência, então podemos dizer que já conectamos mais de um milhão de pessoas”, conclui Sena.

Anterior Fastweb e Vodafone iniciam processo judicial de € 1,1 bi contra Telecom Itália
Próximos Inclusão na zona rural