Segurança digital aproxima Minas Gerais da França


A pesquisa em segurança digital está por trás da aproximação entre mineiros e franceses. Foi inaugurado hoje, 8, no Inatel, em Minas Gerais, o programa Security Design Lab (SDL), uma rede de colaboração com o Instituto Mediterrâneo de Risco, Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (IMREDD), com sede na França.

PUBLICIDADE

A parceria vai pesquisar soluções de segurança atreladas à mobilidade, veículos autônomos, Smart Home, Smart Cities, Smart Grid, Indústria 4.0, trabalho e acesso remoto. Integrará o SDL o CxSC Telecom – Centro de Segurança Cibernética do Inatel.

O SDL terá como foco garantir privacidade e segurança em ambientes altamente distribuídos, oferecendo estudos avançados para autenticação, acesso privilegiado e interações digitais H2H & M2M, ao mesmo tempo em que desenvolve pesquisas aplicadas em Inteligência Artificial, computação de ponta móvel e cibersegurança quântica.

Paulo Moura, Chefe de Inovação e Parcerias Estratégicas do IMREDD, acredita que “o problema mais significativo no mercado hoje é como garantir a interoperabilidade, a segurança e a privacidade dos dados, APP, softwares e hardwares, integrando sob o mesmo guarda-chuva, dispositivos IoT, rede, nuvem e autenticação humana”. Ele participou da cerimônia online de lançamento da iniciativa.

O convênio oferecerá soluções práticas para interessados de todo o Brasil. Permitirá que empresas de telecomunicações, fabricantes de dispositivos IoT, integradores de soluções, provedores de conectividade, parques de P&D e outras organizações dentro da indústria de dispositivos inteligentes testem a segurança e o gerenciamento de seus ativos conectados em um ambiente fechado, antes da implantação e em total conformidade com os regulamentos de proteção dados do mercado brasileiro.

Qualquer empresa interessada pode acessar o site do Laboratório e gerar o relatório de diagnóstico preliminar de seus equipamentos para entender o nível de conformidade entre seus dispositivos e as normas de proteção de dados.

“O nosso objetivo é que o Inatel seja um centro de referência internacional para projetos de segurança de grande porte”, explica o coordenador adjunto ao CxSC Telecom, professor Guilherme Aquino. O SDL tem apoio da empresa de segurança Sikur, da Huawei e da Embratel.

PUBLICIDADE
Anterior Ação policial bloqueia 334 sites e 94 aplicativos de streaming ilegal de conteúdo
Próximos Diretor da Abin diz que rede privativa do governo pode ser feita por qualquer empresa