Seaborn iniciará derivação de cabos submarinos pelo Recife


A Seaborn Networks, provedora de cabos submarinos, deverá começar por Recife as ativações de sua infraestrutura pelo Nordeste. A empresa tem uma ligação direta entre Nova York e São Paulo, mas em seu business plan, já havia previsto criar sete derivações ao longo do caminho, três nos EUA e Caribe quatro na costa brasileira – atendendo o Recife, Fortaleza, Rio de Janeiro e São Paulo, e, deste, até a Argentina.

Michel Marcelino, vice-presidente senior e head da Seaborn para a América Latina, explica que não optou por Fortaleza, onde chega a maior parte dos sistemas de cabos submarinos, porque considera Recife um centro econômico de maior porte.

PUBLICIDADE

“Temos um projeto de conectar o Nordeste a partir de Recife, embora Fortaleza seja o ponto mais próximo dos EUA e já recebe os demais sistemas. No nosso caso, Recife é estratégica por ser uma das principais cidades do Nordeste e um hub econômico, muito próxima ao Centro Oeste e à Bahia. Estamos na fase de desenvolvimento deste projeto, em fase de estudos com lançamento previsto em fase de estudos possivelmente último trimestre de 2021”, sinaliza Marcelino.

A infraestrutura de cabos submarinos é fundamental para a comunicação do Brasil com o mundo por meio de sete sistemas que ligam o país aos EUA e à África. Desses, quatro sistemas são novos, tendo sido instalados nos últimos quatro anos. No final do próximo ano, a Ellalink entra em operação ligando o Brasil a Portugal. Como muitos sistemas estão no final da vida útil, espera-se uma onda de investimento nos próximos cinco anos.

A Seaborn foi criada em 2012 e instalou em 2017 o sistema Seabras-1, com 11 mil km de cabo ligando os EUA a partir de Nova York a São Paulo. Marcelino diz que o diferencial do sistema é que passa ao largo do Caribe ficando livre dos eventos climáticos da região como os furacões. O perfil da demanda é de provedores de conteúdo para entretenimento e os ISPs.

“O Brasil tem um conjunto novo de sistemas com capacidade acima de 400 Tbps (terabits por segundo). E se comunica com a Europa via EUA predominantemente. O desafio hoje da indústria é a erosão dos preços do megabit trafegado e como atender a nova demanda de baixa latência, especialmente para os serviços de streaming e games. Como temos um sistema muito novo, temos a menor latência direta São Paulo – Nova York, em 108 milissegundos, crítico para o mercado financeiro”, analisa Marcelino.

A Seaborn entrou em recuperação judicial em dezembro do ano passado, mas saiu rapidamente, seis meses depois após reestruturação financeira. Marcelino explica que a crise ocorreu devido à mudança do modelo de contrato de IRU para leasing. No IRU o provedor vende um direito de uso de 25 anos para um parceiro e existe um adiantamento de Capex ou pagamentos durante a construção do cabo.

“Usamos o dispositivo do Chaper 11 simplesmente para renegociar o prazo do empréstimo. Quando fizemos o funding com os investidores, havia a perspectiva de que o mercado de IRU responderia por grande parte de nossas receitas. Mas com a mudança para leasing refizemos o plano de negócios para nossos financiadores. Saímos muito mais fortes da recuperação”, conclui Marcelino.

Anterior Telebras instala nova antena do Programa WiFi na Praça em Breves, no Pará
Próximos TIM, Inatel e Telecom Infra Project inauguram campo de testes em MG