Satélite Star One D2, da Embratel, é colocado em órbita


Equipado com transponders de banda C, Ka, Ku e X, satélite inicia a operação comercial em outubro

A Arianespace colocou em órbita na tarde desta sexta-feira, 30, o satélite Star One D2, da Embratel. O equipamento garantirá oferta de nova capacidade satelital no Brasil e na América Latina em Bandas C, Ku, Ka e X.

A Banda Ku será utilizada para ampliar as capacidades direcionadas para o parque brasileiro de antenas parabólicas, demandas TV por Assinatura e de conectividade de empresas. Já a Banda Ka será utilizada na ampliação de backhaul de telefonia celular, assim como para aumentar a o desempenho de aplicações de dados, vídeo e Internet do mercado empresarial.

“Estamos muito felizes com o lançamento bem-sucedido do Star One D2, o maior satélite que já construímos e que irá reforçar ainda mais a nossa liderança de mercado, proporcionando mais recursos para as telecomunicações do Brasil e da América Latina”, afirma José Félix, presidente da Claro no Brasil, dona da Embratel. “Reforçamos com o anúncio de hoje nosso compromisso com o país e com a região”, diz Félix.

O Star One D2 complementa a frota da Embratel composta por cinco satélites em órbita geoestacionária (Star One D1, C1, C2, C3 e C4). Com potência de 19,3 KW e pesando 7 toneladas, o Star One D2 ocupa a posição orbital de 70° W e está equipado com 28 transponders (receptores e transmissores de sinais) em Banda C, 24 transponders em Banda Ku e payloads em Banda Ka e Banda X.

“O novo satélite ampliará nossa atuação com clientes da região e fornecerá mais capacidade para transmissões de dados em geral e para nossa estrutura de telefonia celular (backhaul), ajudando na ampliação dos serviços móveis”, afirma José Formoso, CEO da Embratel.

Serviços

Com a Banda Ka, o Star One D2 atenderá às demandas de backhaul de telefonia celular e ainda complementará cobertura semelhante disponível no Star One D1, ampliando as ofertas de Internet e Banda Larga empresarial em grande parte do território brasileiro, além de permitir o uso de aplicações corporativas com transmissão de dados.

As Bandas C e Ku complementarão ainda as ofertas de dados, vídeo e Internet de alta velocidade para órgãos do Governo e grandes empresas que atuam no México e nas Américas do Sul e Central, além de expandir as redes de backhaul celular já existentes em Banda Ku por meio de outros satélites da frota da Embratel.

A Banda Ku também poderá ser usada para a migração de sinais de TVRO, atualmente transmitidos em Banda C, de modo a atender essa condição prevista na futura implementação do 5G no Brasil. Possibilitará ainda a transmissão de sinais de TV por Assinatura. Já a Banda C garantirá a manutenção e a distribuição de sinais para possibilitar o aumento da oferta de conteúdos de afiliadas de grandes emissoras de TV no segmento de broadcast.

“Ampliaremos nossas ofertas incluindo aplicações de entretenimento, telemedicina, agronegócio e tele-educação”, afirma Gustavo Silbert, Diretor-Executivo da Embratel, enfatizando que a empresa já atende com seus serviços satelitais as maiores empresas do Brasil e da América Latina, as principais emissoras de TV, canais independentes, bancos e companhias que utilizam sinais de televisão, rádio, telefonia, Internet e dados.

Os serviços do Star One D2 já podem ser contratados por empresas e órgãos do governo. “As entregas começam a valer a partir do início da fase de operação comercial do satélite, que ocorrerá já a partir de outubro 2021”, diz Lincoln Oliveira, Diretor da Unidade de Satélites da Embratel. O Star One D2 será controlado a partir do centro de operações de satélites da empresa em Guaratiba (RJ).

Anterior Inmarsat entra no segmento dos satélites de órbita baixa
Próximos Nova, do Paraná, compra um ISP por mês e se prepara para abrir o capital