Sardenberg: Portabilidade terá plano de contigenciamento. Taxa será de R$ 4,00.


A portabilidade numérica na telefonia móvel e fixa – que permite ao usuário a troca de operadora sem perder seu número – começa mesmo segunda-feira, dia 1º/09  e custará R$ 4,00 ao consumidor, valor pago uma única vez. Nessa primeira etapa, serão atendidos 13.488.794 celulares e 3.746.250 telefones fixos instalados em todas as cidades do …

A portabilidade numérica na telefonia móvel e fixa – que permite ao usuário a troca de operadora sem perder seu número – começa mesmo segunda-feira, dia 1º/09  e custará R$ 4,00 ao consumidor, valor pago uma única vez. Nessa primeira etapa, serão atendidos 13.488.794 celulares e 3.746.250 telefones fixos instalados em todas as cidades do estado do Mato Grosso do Sul, cidades do interior de São Paulo,  de Goiás (inclusive Goiânia), do Espírito Santo (inclusive a capital Vitória), Minas Gerais, Paraná e Piauí, conforme previsto no cronograma estipulado pelas empresas e Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações).

PUBLICIDADE

A confirmação do início da portabilidade foi anunciada hoje pelo presidente da Anatel, Ronaldo Sardenderg, em coletiva à imprensa. Ele disse que está confiante no bom funcionamento da operação, porque as 12 companhias, que apresentaram maior taxa de insucesso no período de testes, aderiram ao compromisso de fazer um plano de contingência que, caso necessário, será imediatamente aplicado. "Segundo avaliação da área técnica da agência, as medidas internas previstas pela operadoras para sanar os problemas que ocorrerem são plenamente exeqüíveis", disse.

De acordo com Sardenberg, a Anatel está segura de que a responsabilidade de funcionamento da portabilidade é das empresas e que não faz mais sentido a essa altura pensar em testes que garantam o pleno sucesso da operação no dia 1º. "O próprio funcionamento será a prova" disse. E informou que alguns aspectos nos testes da portabilidade obtiveram 90% de acerto, enquanto em outros o índice de sucesso é menor e que as empresas que não aderiram ao compromisso é porque disseram que não tinham problemas. "No momento, não quero identificar empresas específicas porque isso tem um impacto comercial e porque até segunda-feira certas situações poderão ser corrigidas", adiantou.

Além disso, argumenta o presidente da Anatel, o prazo para atendimento do pedido de portabilidade é de cinco dias úteis, tempo que poderá ser suficiente para que as operadoras solucionem eventuais problemas. Sardenberg, porém, não quis adiantar qual serão as punições para as empresas que não concluírem as operações no prazo previsto. "O negócio da Anatel não é fazer ameaças, é regular e fiscalizar. Nós estamos regulando, estamos com a fiscalização reforçada de maneira a que as providências que sejam necessárias possam ser tomadas prontamente", disse.

Anterior Tele.Síntese Análise - 157
Próximos Portabilidade: previsão de troca de operadora por 11 milhões de assinantes no 1º ano.