São Paulo quer chegar a 20 mil pontos de WiFi Livre até 2024


A Secretaria Municipal de Inovação e Tecnologia (SMIT) de São Paulo publicou nesta terça, 3, a Consulta Pública ao edital do programa WiFi Livre SP.

PUBLICIDADE

Atualmente a cidade tem 1.088 pontos de WiFi de acesso gratuito. Desses, 300 são explorados pelo iniciativa privada, permitindo a navegação após cadastro e visualização de publicidade pelos usuários. Três empresa se credenciaram em 2019 para a oferta desse pontos: Americanet, Surf Telecom e WCS.

A intenção da prefeitura é multiplicar a quantidade de pontos explorados pela iniciativa privada. O próximo chamamento trará mais de 10 mil localidades. Mas a Prefeitura diz que, até 2024, abrirá oportunidades para o atendimento de até 20 mil pontos.

Os requisitos técnicos do serviço não mudam na próxima fase do programa. As empresas continuam obrigadas a oferecer banda larga de 512 Kbps. O uso de publicidade no celular o usuário será regulado. Publicidade exibida por 15 segundo resultará em tempo mínimo de navegação de 15 minutos. Anúncio de 30 segundos, dará direito a 30 minutos de acesso. E 45 segundo, a 45 minutos.

Os dados coletados no cadastro do usuários devem ser protegidos e tratados conforme a Lei Geral de Proteção de Dados. As empresas também poderão colocar publicidade em postes e placas nas praças contempladas. Em expansão desde 2017, o programa saiu de 120 pontos bancados pela prefeitura para 1.088 atualmente.

A prefeitura dividiu as localidades em cinco lotes, que somados contemplam 10.019 endereços espalhados por toda a cidade. A empresa interessada pode se credenciar para atender um ou mais lotes. Uma vez credenciada, poderá prestar o serviço por cinco anos. A Consulta Pública dura 15 dias e pode ser prorrogada pelo mesmo período. (Com assessoria de imprensa)

Anterior Conselheiro de Segurança Nacional dos EUA vem ao Brasil tratar de 5G
Próximos Abrint identifica mais 526 localidades com fibra