Samsung lança smartphone intermediário com 5G


O Galaxy A32 5G possui processador octa-core de 2GHz, 4 GB de memória RAM e sistema quádruplo de câmeras. Será vendido por R$ 2,7 mil. Mas não vai funcionar nas redes 5G puras que serão instaladas no país a partir de meados de 2022.

Da esquerda para direita, Galaxy A02 e Galaxy A32 5G

A Samsung lançou hoje, 3, o primeiro smartphone da linha Galaxy A que suporta conexão 5G, o Galaxy A32 5G, disponível nas lojas da Samsung com preço sugerido de R$ 2.699. Também, chega ao país a versão mais simples do dispositivo, o Galaxy A02 por R$ 1.099, que é apenas 4G. A versão mais simples já está à venda nas operadoras, enquanto o Galaxy A32 deve chegar “nas próximas semanas”, conforme a fabricante.

O modelo 5G funciona nas redes 5G DSS, mas não irá operar nas redes 5G puras. Essa conectividade foi estabelecida pelo edital 5G como de instalação obrigatória pelas operadoras a partir de julho de 2022.

PUBLICIDADE

Ambos os modelos contam com processador MediaTek, o Galaxy A32 com um octa-core de 2 GHz e o Galaxy A02 com um quad-core de 1,5 GHz. Além disso, o primeiro possui um 4 GB de memória RAM, 128 GB de armazenamento interno, que pode expandir para até 1 TB com cartão micro SD. O Galaxy A02 contém 2 GB de RAM e 32 GB de armazenamento interno, que também pode chegar até 1  TB.

Apenas o modelo habilitado para o 5G oferece carregamento rápido de 15 W. Apesar das diferenças, a bateria das duas versões tem capacidade de 5.000 mAh e as telas medem 6,5 polegadas com resolução HD.

O Galaxy A32 é equipado com quatro câmeras, a principal de 48 MP, uma ultra wide de 8 MP, outra macro de 5 MP e, por fim, uma profundidade de 2 MP. A câmara frontal é de 13 MP. O modelo mais simples traz uma duas câmeras traseiras de 13 MP e 2 MP e uma frontal de 5 MP. O dispositivo 5G está disponível nas cores preto e violeta e o Galaxy  A02, nas cores preto, azul e vermelho. (Com assessoria de imprensa)

Anterior Apreciação dos vetos à nova lei do Fust trava a pauta do Congresso
Próximos Decisão pioneira da Anatel vai refletir para os próximos 20 anos