Samsung é processada por infração de patentes de compressão de vídeo


Samgung é processada por infração de patentes

A Samsung está sendo processada por infração de patentes essenciais à compressão de vídeo. A MPEG LA anunciou na segunda-feira, 28, que entrou com ações contra violações de propriedade industrial na corte de Landgericht Düsseldorf (Alemanha).

PUBLICIDADE

As patentes são essenciais para o padrão de codificação de vídeo digital HEVC (também conhecido como H.265 e MPEG-H Parte 2), usado em produtos que codificam e decodificam vídeos para Internet, televisão e transmissão móvel, recepção e uso.

De acordo com as denúncias, a Samsung Electronics foi autorizada a utilizar as licenças das patentes HEVC da MPEG LA de 2014 até março de 2020. Depois do término da licença, a fabricante continuou ofertando produtos, incluindo smartphones, tablets e televisores, na Alemanha que utilizam métodos HEVC, sem a licença, ainda que fosse protegidos pelas patentes.

Por conta disso, a MPEG LA pede o ressarcimento por danos monetários e de custos – mas o valor não foi revelado. Até o momento, a Samsung não se pronunciou sobre a ação movida na Alemanha.

A MPEG LA é a maior fornecedora mundial de licenças de tecnologias de compressão de vídeo. No mercado desde a década de 90, a empresa foi a pioneira do pool de patentes mais utilizado da atualidade, ajudando a produzir os padrões mais amplamente utilizados da história em produtos eletrônicos de consumo, e está expandindo o acesso a outras tecnologias revolucionárias.

A MPEG LA negocia os direitos de uso de mais de 25 mil patentes em 94 países, representando mais de 280 titulares de patentes e cerca de 7,3 mil licenciados. Em sua carteira, tem 400 licenciados com cobertura mundial da licença de portfólio de patente HEVC da MPEG LA. A Samsung era uma dessas.

Este não é o primeiro processo por violação de patentes movido contra a gigante sul-coreana. Em 2021, a Samsung fechou um acordo com a Ericsson, depois que esta apontou o uso ilegal de tecnologia nos smartphones da empresa asiática. Também já enfrentou ações movidas pela Apple.

PUBLICIDADE
Anterior E-commerce cresce 26,9% e fatura R$ 161 bi em 2021
Próximos Rede eduroam brasileira vai além das instituições de pesquisa