Sai Telefónica, entram América Móvil e Facebook na Comissão de Banda Larga da ONU


A Comissão de Banda Larga da Organização das Nações Unidas (ONU) decidiu promover mudanças em sua cadeia de comando. Em reuniões realizadas no sábado e domingo, foram definidos 22 novos nomes para integrar a iniciativa. A América Móvil ganhou espaço, com a entrada de Carlos Slim, maior acionista da operadora, no comando, ao lado do presidente de Ruanda, Paul Kagame, na presidência. Houlin Zhao, vice-presidente da UIT, e Irina Bokova, diretora-geral da Unesco, ocuparão a vice-presidência. Nenhum desses cargos existiam.

A Telefónica, que era representada por César Alierta, CEO do grupo espanhol, deixou de figurar entre os comissários que vão liderar a iniciativa. Outras ausências no novo quadro de líderes são da entidade GSMA, que foi representada até o começo do ano por Anne Bouverot; da Alcatel-Lucent, até então presente através do ex-CEO Michel Combes; e de representante de operadoras chinesas, antes presentes através do CEO da China Mobile, Wang  Jianzhou.

PUBLICIDADE

Entre os 22 novos nomes estão John Chambers, CEO da Cisco; Nicholas Negroponte, do MIT Media Lab e criador do projeto One Laptop per Child; Hans Vestberg, CEO da Ericsson; Sun Yafang, da Huawei; e Kevin Martin, ex-integrante da agência reguladora de Telecomunicações dos Estados Unidos, e atual responsável pelas políticas de acesso global do Facebook, como Internet.org.

A organização é responsável pela definição de metas e do plano de ação da UIT e da Unesco para estimular programas de conexão nos países pouco desenvolvidos ou em desenvolvimento. Criada em 2010, os comissários eram os mesmos há cinco anos. A comissão vai tocar as políticas para desenvolvimento sustentável, mundo afora, na área de tecnologias da informação e comunicação (TICs).

Também na conferência realizada no final de semana, entre os dias 25 e 27 de setembro, representantes dos países, da ONU, da academia, do terceiro setor e do setor privado definiram 17 metas que deverão ser buscadas até 2030 pelos países-membros da organização. Estão lá ideais como fim da pobreza e da fome, promoção da igualdade de gênero e acesso a fontes de energia e diminuição da desigualdade entre os países.

PUBLICIDADE
Anterior Auditoria de TCU constata que administração pública compra pouco software de prateleira
Próximos Rede da Oi registra recorde de tráfego de dados no Rock in Rio