Expansão anual da banda larga móvel cai desde 2017, indica relatório da UIT


A União Internacional das Telecomunicações (UIT), divulgou hoje, 30, o relatório Measuring Digital Development: Facts and figures 2020. Segundo ele, embora entre 2015 e 2020, a cobertura de 4G tenha dobrado no mundo, o ritmo da expansão anual da banda larga móvel vem caindo desde 2017. Neste ano, a cobertura é apenas 1,3% maior em relação a 2019.

A pesquisa também indicou que, nos Países Menos Desenvolvidos (PMD), em 2019, 17% da população rural não possui qualquer cobertura de internet. Outros 19% da população rural tem apenas cobertura 2G. Segundo Doreen Bogdan-Martin, diretora da UIT para o desenvolvimento das telecomunicações, essa é a primeira vez que o relatório traz os dados de Pequenos Estados Insulares em Desenvolvimento, Países em Desenvolvimento sem Litoral e Países Menos Desenvolvidos.

PUBLICIDADE

Globalmente, 72% das residências urbanas possuem acesso à internet, o que representa quase o dobro das residências rurais (quase 38%). Nos países em desenvolvimento, 28% das residências rurais contam com internet, em comparação com 65% das residências urbanas. Isso significa um acesso 2,3 vezes maior para áreas urbanas em relação às rurais.

Outra conclusão do relatório é de que o acesso à internet é maior entre os jovens. Enquanto 50% da população mundial utiliza a internet, uma parcela de 70% desse total é constituída por pessoas entre 15 e 24 anos. Nos países menos desenvolvidos, por exemplo, 38% dos jovens utilizam internet, sendo que a população total que tem acesso é de 19%.

Em países desenvolvidos, onde a presença de conectividade em áreas urbanas é de 87% e de áreas rurais, 81%, todos os jovens utilizam internet.

Acesso no Brasil em meio a Covid-19

A pesquisa registrou um aumento de usuários brasileiros realizando atividades online em 2020. Dentre as atividades que mais tiveram aumento estão:  cursos à distância, que passaram de 16% em 2019 para 33% em 2020; pagamentos, consultas, e outras operações financeiras cresceram de 42% (2019) para 71%; a procura de informações sobre saúde aumentou de 55% para 72%; e de acesso a serviços públicoson line  de 36% para 54%.

O relatório completo pode ser visualizado aqui. (Com assessoria de imprensa)
Anterior Itaú seleciona AWS como provedora estratégica de nuvem
Próximos Absolar alerta que decisão do TCU não muda atuais regras da energia distribuída