Reversibilidade de bens e os acionistas, como resolver?


A reversibilidade dos bens da concessão para a União  promete ser um dos mais instigantes temas em debate durante a discussãoda mudança do modelo de telecom. Ou antes dela, se ela for antecipada na revisão contratual, como defenderam diferentes interlocutores durante a consulta pública promovida pelo Ministério das Comunicações.

Um outro ingrediente neste caldo foi apresentado pelo grupo América Móvil, (dona no Brasil da Claro, Embratel e NET)  em sua contribuição, ao se manifestar contrário à interpretação “patrimonialista” da Anatel sobre esses bens.

PUBLICIDADE

Para o grupo, todos os bens são da concessionária.  O grupo chega defender que somente seria reversível aqueles equipamentos e serviços que recepcionassem exclusivamente o serviço telefônico fixo comutado, objeto da concessão. No mais, advoga, em 2025, seria feito um contrato de uso com o Estado brasileiro para que ele passasse a explorar o serviço de telefonia com as redes das empresas privadas.

Minoritários

Se esta posição do grupo, contra a visão patrimonialista dos bens da concessão, encontra diferentes defensores e opositores, a ponderação sobre o impacto no mercado de ações ainda não teve a devida análise do setor.

A empresa questiona como deverá preservado o interesses dos acionistas minoritários (e também dos majoritários) das atuais concessões a se confirmar a “entrega” dos bens para a União. Questiona a empresa:

“Como garantir os direitos dos acionistas das companhias controladoras das concessionárias, principalmente dos minoritários, com a intrínseca redução do valor patrimonial das empresas que será resultante da visão puramente patrimonial que a Anatel tem aplicado? “.

Quem souber a resposta, que se apresente.

PUBLICIDADE
Anterior Para Idec, prazo da consulta sobre novo marco legal de telecom foi insuficiente
Próximos Sai novo cronograma de desligamento da TV. DF este ano. Capital paulista e capital carioca em 2017