Reunião marca início de operação do GT do SeAC


Leonardo Euler de Morais / Foto: Rudy Trindade / Themapress

A reunião inaugural do GT SeAC (Grupo de Trabalho para elaboração de propostas de atualização do marco jurídico do Serviço de Acesso Condicionado), remota, aconteceu nesta quarta, 26. O evento contou com a participação do ministro das Comunicações, Fábio Faria, e do presidente da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), Leonardo Euler de Morais.

O SeAC é o serviço de telecomunicações de interesse coletivo, prestado no regime privado, cuja recepção é condicionada à contratação remunerada por assinantes e destinado à distribuição de conteúdos audiovisuais na forma de pacotes, de canais de programação nas modalidades avulsa de programação e avulsa de conteúdo programado e de canais de programação de distribuição obrigatória, por meio de tecnologias, processos, meios eletrônicos e protocolos de comunicação quaisquer – como a TV por Assinatura, por exemplo.

PUBLICIDADE

O grupo, que teve sua composição definida há três meses, terá como base de trabalho as recomendações propostas pela Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE) em sua Revisão de Telecomunicações e Radiodifusão no Brasil.

As reuniões ordinárias do colegiado ocorrerão a cada 30 dias e os trabalhos devem ser concluídos em até 90 dias, contados a partir do primeiro encontro, com possibilidade de prorrogação, a critério da presidência do grupo de trabalho.

“Esse GT visa contribuir para o necessário avanço desse mercado. O setor de telecomunicações tem importante papel no crescimento e na contínua evolução audiovisual no Brasil”, afirmou o ministro Fábio Faria.

Início dos trabalhos

Para abrir as atividades do grupo, Leonardo Euler de Morais fez um discurso, na reunião. O presidente da Anatel deixou claro que defende mudanças na Lei do SeAC.

“A atualidade de alguns dispositivos centrais da Lei nº 12.485/2011 tem sido reiteradamente questionada sobre os mais diversos aspectos nos últimos anos. Exemplo notório disso é a restrição à verticalização da cadeia de valor do conteúdo audiovisual, de modo que quem participa das etapas de produção e programação não atue na sua distribuição”, disse.

“Tais limitações teriam sido criadas, há quase uma década, com o intuito de preservar o equilíbrio desse complexo mercado, de modo que, independentemente do meio de exploração do SeAC (Princípio da Neutralidade Tecnológica), restariam mitigadas as possibilidades de concentração excessiva e de abuso de poder econômico”, continuou.

Nesse sentido, falou sobre a necessidade de atualização regulatória. “Para além de já ter tido sua utilidade superada em muito no atual contexto e potencialidade tecnológica da economia digital, tal vedação hoje cria condições de tratamento não isonômico entre as empresas e obstaculiza o surgimento de novos modelos de negócio e a inovação no setor, em prejuízo aos consumidores dos serviços e à produção nacional de conteúdos.”

PLs em pauta

O Projeto de Lei 3.832/19, em tramitação no Senado, revoga os artigos  5º e 6º da Lei 12.485/11, conhecida como Lei do SeAC ou Lei da TV Paga. O texto é de autoria do Senador Vanderlan Cardoso (PSD-GO) e tem apoio do Comitê Administrativo de Defesa Econômica (Cade). 

O artigo 5º da Lei do SeAC determina que empresas de radiodifusão não podem ter mais que 50% do capital de operadoras, e que operadoras não podem deter mais de 30% do capital votante de empresas de radiodifusão. Já o artigo 6º diz que operadoras de telecomunicações não podem produzir conteúdo audiovisual para veiculação em seu serviço de TV por assinatura.

Segundo a presidente do GT-SeAC, Nathália Lobo, o grupo vai ouvir distribuidores, programadores, empacotadores e VoD (Video On Demand), produtores, radiodifusores e representantes do governo. “Pretendemos fazer uma coleta de subsídios bastante extensa, formar massa crítica, para a elaboração de propostas sobre cada um desses temas”, disse ela.

Durante o trabalho do GT, as pessoas e entidades interessadas poderão fazer contribuições por meio de formulário disponível no site do Ministério das Comunicações.

Anterior Vivo diz que 102 clientes tiveram dados expostos em 2020
Próximos American Tower já pode finalizar a compra de torres da Telxius