Souza Pinto: Retorne ao chão de sua fábrica


*José Roberto Souza Pinto

jose_robertoEm 2010 escrevi o artigo “visite o chão de sua fábrica”, baseado em dados da qualidade deficiente da prestação de serviços de telecomunicações, medida a partir do elevado número de reclamações de usuários e publicada em veículos de comunicação que cobrem o setor.

PUBLICIDADE

Naquela oportunidade, visava recuperar os padrões técnicos de instalações de redes de telecomunicações, notadamente com relação às redes de acesso instaladas em postes das Empresas de Energia Elétrica, com vistas a melhorar a qualidade do serviço prestado, evitando interrupções e recuperando os mínimos padrões técnicos que a engenharia recomenda.

O artigo visava principalmente que os executivos destas empresas visitassem as suas instalações e constatassem o que algumas fotos publicadas no artigo exemplificavam.

Recapitulando: a visita ao chão da fábrica, tinha o sentido que para um prestador de serviço de telecomunicações, seja telefonia e banda larga, TV por assinatura ou outro serviço, o chão da fábrica é a sua rede de telecomunicações e grande parte desta rede está instalada em vias urbanas e em postes.

Passados 6 anos vemos que nenhum padrão de instalação foi implantado ou seguido e a situação, sem dúvida, piorou e muito, como podemos mais uma vez exemplificar com algumas fotos recém tiradas de instalações de redes aérea em postes.

em julho de 2016

 

A imagem não pode ser extrapolada para todos os mais de 5.000 municípios e milhões de bairros existentes no Brasil, mas existem situações muito piores que as apresentadas nestas fotos e você cidadão comum ou principalmente um profissional de telecomunicações, que estudou técnicas e padrões, vai reconhecer uma dessas instalações no seu bairro perto da sua residência ou local de trabalho, ou mesmo num lugar turístico, o que causa uma péssima impressão.

O processo certamente está sem controle algum por parte das empresas autorizadas pela Anatel para prestar serviços de telecomunicações, que envolvem desde cabos telefônicos antigos e novos, coaxiais, fibras ópticas, para prestação de telefonia, TV por assinatura e acesso à internet, acrescido hoje de um número maior de empresas envolvidas neste processo de prestação de serviços, o que complica ainda mais a situação.

Destacamos adicionalmente o agravante que estas instalações de cabos, caixas e outros acessórios colocados nos postes das empresas de energia elétrica não são identificados, portanto não é possível saber se alguma das empresas está seguindo pelo menos uma regra básica da boa engenharia. E alguns destes fios ou cabos estão sem serviço, pois quando o usuário migra de uma operadora para outra, estes permanecem pendurados nos postes ou soltos nas ruas.

Retornando a 2010, verificava que praticamente todos estes serviços de instalação e manutenção destas redes eram terceirizados, o que em princípio me parece uma alternativa viável, desde que seguida dos devidos controles relativos à qualidade das instalações, inclusive sobre o aspecto de segurança física da população que circule por estas ruas.

Cabe destaque também a questão da poluição visual destas instalações que, sem sombra de dúvida, transformam o local em um ambiente visualmente desagradável.

Causa-me espécie duas situações interessantes de se avaliar. Por um lado a tecnologia das telecomunicações e da microeletrônica acumula enormes avanços, que devem ser traduzidos em benefícios para a sociedade e, por outro, a posição das prefeituras municipais e das empresas de energia elétrica que deveriam zelar pela qualidade das instalações técnicas, sobre os aspectos visual e de segurança da população. Mas, como as imagens retratam, não estão vendo ou não consideram prioritário este tipo de expectativa.

A partir de diversas manifestações publicadas nos veículos especializados do setor, vem se verificando certas dificuldades neste relacionamento entre os órgãos municipais e as empresas de energia elétrica (detentoras dos postes) com as empresas prestadoras de serviços de telecomunicações, o que não justifica este quadro sintomático de desarrumação total.

Certamente os municípios têm inúmeras outras prioridades para atendimento à população e vivem um dia a dia de  obras nas suas vias, principalmente urbanas, o que não impede de, como responsável, tomar a iniciativa de incorporar no seu planejamento urbano padrões de qualidade para as instalações elétricas e de telecomunicações, que seriam gradativamente alcançados em cada bairro, evitando que esta situação de descontrole se mantenha.

A partir da descrição apresentada, observamos que a questão é de difícil solução, mas estas empresas possuem profissionais bem preparados e, se ainda prevalece esta situação só pode ser em função da falta de prioridade, o que recomenda  que está na hora desta conversa entre as partes envolvidas acontecer e que seja rápido, porque a situação tende a piorar.

Desta forma, esse artigo visa mais uma vez lembrar da necessidade de se recuperar um padrão de qualidade de instalação, que siga normas da boa engenharia, da segurança física e que seja visualmente aceitável e não um poluidor visual.

Jose Roberto de Souza Pinto, engenheiro, mestre em economia empresarial e consultor.

PUBLICIDADE
Anterior Lucro do Google cresce 24,7%
Próximos Ministério Público se insurge contra WhatsAPP