Renovação sucessiva de espectro é a opção mundial, afirma consultor


Encontro-telesintese-52-brasilia-20-de-marco-de-2018-GJN_3481

“O bem reversível é o espectro do serviço celular”, afirmou Guilherme Pinheiro, consultor da Câmara dos Deputados no 52 Encontro Tele.Síntese. Para ele, o debate sobre a renovação das frequências de telecomunicações é um assunto mais desafiador do que os bens reversíveis das concessões de telefonia fixa. E Pinheiro defende  a renovação sucessiva ao invés da licitação de frequências como a melhor alternativa para o setor.

PUBLICIDADE

Para ele, há um problema sério que poderá ocorrer dentro de poucos anos, caso não se mude o atual quadro regulatório. A atual Lei Geral de Telecomunicações (LGT) sõ permite a renovação das licenças de frequências por dois períodos – que somam um total de 40 anos. Em pouco tempo (dentro de cerca de dois anos) as licenças  de telefonia celular que pertenciam as empresas estatais Telebras e foram vendidas juntamente com a privatização da empresa, conhecidas como “Banda A” – começam a ter seu prazo de validade vencido. As  empresas que prestam serviço com essas bandas terão que devolvê-las para o Estado brasileiro. Atualmente as quatro grandes operadoras, Claro, TIM, Vivo, Oi possuem essas bandas.

Pinheiro alerta que está prevista pela lei a devolução do espectro, mas não a devolução da infraestrutura. E pergunta: ” A infraestrutura continuará com as empresas privadas. A Anatel poderá desapropriar as redes e torres dessas empresas? Elas serão forçadas a vender essa infraestrutura?”

Conforme Pinheiro, a maioria dos reguladores do mundo escolheu a renovação sucessiva como a melhor opção para lidar com esse tema. “Na Austrália, a renovação é sucessiva. O Canadá é tranquilo quanto a essa questão. Os Estados Unidos acabaram de rever sua legislação e promoveram uma ampla simplificação para as renovações das licenças e a Comunidade Euorpeia não estabelece limites de prazos para as licenças de espectro”, afirmou.

Para ele, as renovações sucessivas, sempre onerosas,  podem ser economicamente eficientes no Brasil.

 

PUBLICIDADE
Anterior Anatel confirma fim do processo de caducidade da Oi, mas mantém controle das reuniões
Próximos Acesso dinâmico ao espectro e faixas não licenciadas são as opções das redes comunitárias