Raisecom prevê aumento da demanda por tecnologia X-Pon


A fabricante de equipamentos ópticos Raisecom prevê aumento da demanda por equipamentos para redes G-PON de próxima geração (a XG-Pon) no Brasil em 2020. Segundo executivo da empresa chinesa, continuará forte a demanda por banda larga por fibra (FTTH) e o consumo de dados com certeza crescerá em função, entre outros motivos, da visualização por streaming ou IPTV dos Jogos Olímpicos.

A expectativa é de que isso se reflita em um aumento de 25% nas vendas, por parte da fabricante, de redes gerenciadas. O número inclui a tendência de fechamento de contratos com operadoras e com provedores regionais, os ISPs. No nicho específico de ISPs, a empresa prevê a duplicação das vendas, em função da forte expansão das bases de fibra óptica desses provedores, tal como já vem acontecendo nos últimos três anos.

PUBLICIDADE

De acordo com Márcio Cachapuz, diretor comercial da Raisecom Brasil, o ano será marcado por uma corrida do consumidor aos novos devices ultradefinição). Com isto, haverá maior movimentação das operadoras para garantir a oferta de serviços compatíveis em canais de TV, vídeo sob demanda, jogos digitais e interatividade móvel. Em paralelo, os provedores de banda larga irão se preparar para a venda de tráfego avançado, envolvendo o gerenciamento, a estrutura de back-end e a disponibilização de streaming nessas densidades.

O executivo vê também uma pressão maior pelo upgrade das redes em função de movimentações ligadas ao crescimento horizontal da chamada terceira plataforma. Ou seja, maior adoção de soluções de cidades digitais (como estacionamentos inteligentes ou vigilância nos semáforos) em municípios médios e grandes; expansão da Internet das Coisas (IoT), popularização de sistemas de Inteligência artificial que realizam ingestão maciça de dados (big data) e plataformas de segurança e monitoramento através de sensores e câmeras web.

XGpon ganha corpo

Com tal demanda por conteúdo, o mercado continuará pedindo infraestrutura capaz de entregar capacidade sem falhas. A Raisecom planeja lançar OLTs (Optical Line Terminal) e ONUs (Optical Network Unit) com capacidade de 10Gb para upload ou download de pacotes de tráfego intensivo. No segundo trimestre de 2020, irá lançar a ONU AC – 4×4 compatível com os novos padrões de tráfego XGpon e XGSPon.

No primeiro semestre começa a vender uma nova linha de equipamentos multiplicadores de capacidade de fibra (DWDM) com capacidades de 40Gb até 200Gb para favorecer a implementação de redes metropolitanas de banda larga digital por operadoras e ISPs.

Para Cachapuz, as fusões entre operadoras e ISPs não devem se intensificar em 2020. “Tudo indica que também continuará baixo o índice de compras de ISPs por parte das operadoras. O que é mais provável acontecer, ao longo dos próximos anos, é a formação de parcerias entre as teles e os ISPs para estes mercados regionais”, afirma o diretor da Raisecom. (Com assessoria de imprensa)

Anterior TIM vai distribuir R$ 247 milhões a acionistas
Próximos Google recebe mais uma multa francesa