R$ 500 mi do Gired vão para conexão no Norte, diz Pontes


O ministro Marcos Pontes, agora chefe da pasta da Ciência, Tecnologia e Inovações, afirmou hoje, 17, que serão investidos cerca de R$ 500 milhões para conectar grande parte das cidades da região Norte. A medida, que faz parte do programa  Conecta Brasil, permitirá a instalação de 10 mil km de fibra óptica na Amazônia, com recursos oriundos da digitalização das TVs analógicas administrados pelo Grupo de Implantação do Processo de Redistribuição e Digitalização de Canais de TV e RTV (Gired).

“O MCTIC Conecta Brasil é importante e vai mudar as telecomunicações no Brasil, conectando as áreas mais apagadas com internet”, afirmou o astronauta, citando antiga sigla da pasta, durante a solenidade de posse do novo ministro das que afirma entregar as Comunicações. “A terraplanagem está feita, o alicerce está construído. Agora, precisamos construir as paredes de tudo isso”, avaliou.

Citou ainda os programas de conexão para as regiões Nordeste e Centro-Oeste. “Para o Nordeste Conectado, já temos o orçamento, o qual conseguimos economizar recursos e remanejar para o Centro Oeste. São 77 cidades conectadas no Nordeste através de fibra óptica, com cerca de 100 gigabits por segundo, extremamente rápido e isso integrando com backhaul (rede de transporte de alta capacidade) para as cidades. O Internet Para Todos vai ser revigorado, uma mudança geral para o Nordeste em termos de conectividade”, previu.

PUBLICIDADE

Pontes ressaltou que as comunicações são essenciais para o bom funcionamento do país. “Essa é uma área que precisava de um ministério forte. Nós temos um país de dimensões continentais que têm necessidades extremas em temas de comunicação. Temos diferenças sociais que podem ser melhoradas, reduzidas através das comunicações. Através da fibra óptica, por exemplo, podemos levar informações para as escolas, para unidades de saúde e muitos outros tipos de organizações, assim como promover o crescimento o desenvolvimento econômico e social das regiões que tanto precisam”, afirmou.

Decreto e banda larga

Pontes relembrou seus 18 meses de atuação no desmembrado MCTIC , destacando a aprovação do Projeto de Lei Complementar (PLC) 79, em setembro do ano passado, que resultou na revisão da Lei Geral de Telecomunicações.  “O PL 79, depois de muita conversa, e graças ao trabalho do Congresso, conseguimos aprovar e hoje assinamos aqui dando todas as diretrizes e resolvendo uma questão que havia em relação às empresas e contratos em vigência”, declarou, referindo-se ao decreto assinado pelo presidente Jair Bolsonaro sobre renovação dos atuais contratos de frequências de espectro.

Segundo o ministro, nesse período, houve a redução no número de processos de outorga de radiodifusores, que caiu de 70 mil para 37 mil. Também destacou o aumento da quantidade de antenas de banda larga satelital do Satélite Geoestacionário de Defesa e Comunicações Estratégicas (SGDC) instaladas pelo país.

“Nesses 18 meses, criamos esse alicerce. Começando na radiodifusão, em que reduzimos para 37 mil processos. Ainda é bastante, mas até o fim do ano, o pessoal consegue reduzir a zero. Com o nosso satélite, nós temos 12 mil pontos instalados no Brasil, que atendem a 3 milhões de pessoas, principalmente alunos em regiões distantes, em escolas rurais”, disse o ministro.

Anterior Faria cita a Telebras, ameaçada de privatização, para enfrentar desafios
Próximos Destinação da faixa de 3,5 GHz é objeto de nova consulta pública